Avançar para o conteúdo principal

Concretizar devagarinho

Algumas das minhas prioridades [para ter um vida mais feliz] têm mudado. Há sonhos que nunca se concretizarão, certamente. Mas não se pode ficar a olhar para eles e ver o resto da vida passar ao lado. Há caminhos alternativos para percorrer, enquanto outros se tornaram becos sem saída.

Ontem quando coloquei mais uma foto para responder ao desafio das cores, lembrei-me de ter pensado, no início, que não iria ter tempo, andar sempre a fotografar, mas também não queria fazer batota. Lá dentro soou também a voz interior de que sou uma desistente. Que facilmente me deixaria derrotar pela falta de tempo, de vontade, de entusiasmo. Porque começo sempre tudo cheia de entusiasmo, mas depressa abandono por não me sentir motivada. Por isso gosto de trabalhos que se comecem a ver depressa os resultados. Este desafio tem mostrado que, mais ou menos atempadamente, tenho conseguido responder e tem-me dado prazer procurar coisas relacionadas com o tema. A ideia da participação não é ganhar nada - mas eu já ganhei tanto- é manter um compromisso durante um ano. E se, já volvidos, nove meses eu não desisti alegando os argumentos do costume é porque afinal, não sou uma desistente. Preciso antes de ter o objectivo sempre na mira; neste caso,chegar ao final de um ano com o desafio integralmente cumprido.

Aplicar isto a outros campos da minha vida está a ser uma tarefa muito espinhosa, confesso. Tenho muito que aprender sobre a persistência e caminhos alternativos. Talvez seja um pouco como os burros de palas nos olhos. Hoje sou uma pessoa um pouco mais feliz do que ontem e, se eu preciso de pouco para ser feliz, então tenho mesmo de pôr mãos à obra, e fugir dos precipícios que me levam à desistência. Esse não é o caminho. Não quer com isto dizer que seja sempre bem sucedida. Mas vou tentando convencer-me que sou capaz de concretizar. Mesmo que seja mais devagarinho.

Comentários

  1. Cada um tem o seu tempo...e as concretizações acabam por chegar!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  2. Eu que gosto de levar as coisas a sério e raramente desisto de algo sem concretizar, desta vez... Puf! Lá se foi o desafio das cores.. E eu que até gosto de fotografia. Mas os problemas com o meu Pai e seu falecimento fizeram-me parar por falta de tempo e disposição, agora, estou tão atrasada que nem tenho coragem de recomeçar... Mas tens razão, desistir não é o caminho, é preciso lutar todos os dias e seguir em frente com determinação.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Sempre fui organizada, por isso, o desafio em si não seria difícil, mas confesso que começo ter alguma dificuldade em manter o passo com as cores propostas. Mas a verdade é que também não me dou por vencida.

    ResponderEliminar
  4. Claro que é capaz ... está mais que provado ... ao nosso ritmo conseguimos :)
    Beijinho grande e PARABÈNS pela excelente participação no desafio :)

    PS: eu por exemplo tenho ando muito ausente ... mas é mesmo falta de tempo e também o meu PC ter "morrido" :/

    ResponderEliminar
  5. Há sempre tempo, aja motivação e dedicação :)
    Beijinhos :3

    ResponderEliminar
  6. Abusando dum slogan conhecido e batido: "Yes YOU CAN!"! :)
    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)