Avançar para o conteúdo principal

Perspectivas e expectativas



Nunca me tinha apercebido que não via como as outras pessoas; nunca tinha entendido que não era normal não reconhecer as pessoas do outro lado da rua.
Eu nunca me pude colocar no corpo de outra pessoa e testar se a sua visão era igual à minha. Portanto, na MINHA PERSPECTIVA sempre vi bem.
Aos dezanove anos, comecei a usar óculos - possivelmente sempre teria visto mal - e passei a ver o mundo de outra maneira. Mais feia, diga-se de passagem.
Não é por estar ao lado de outra pessoa, que vou saber se vejo bem ou não, ainda mais se a outra pessoa vê pior que eu.  Passa-se o mesmo com as emoções.
Quando uma noiva está prestes a casar - e se o deseja realmente fazer - toda a gente sente o seu entusiasmo, acredito que o partilhe também, mas nunca o sentirá como a noiva. Porque têm perspectivas diferentes sobre o mesmo acontecimento.

Isto reproduz-se em todas as emoções da nossa vida. Não poderemos querer que as pessoas sintam o mesmo que nós, quando isso não é possível. Ninguém é capaz- porque tão pouco isso é possível fisicamente- de sentir e viver uma emoção da forma exacta que a estamos a viver. Temos de compreender que os outros vivem o nosso facto sobre outras perspectivas e estão a gerir as suas próprias emoções, caso isso interfira nas suas vidas.
Podemos ser solidários com as emoções dos outros, mas não as podemos viver a não ser quando são nossas, e vamos geri-las segundo as nossas vivências, crenças, culturas. Basicamente, isto é como a minha história de ver os outros do outro lado da rua, com ou sem óculos.  

Sei que nem sempre é fácil entender que os outros não comunguem da nossa alegria ou partilhem da nossa dor da mesma forma que nós mas temos de saber mudar de perspectiva. Os nossos olhos e os nossos óculos não servem a mais ninguém. Não podemos censurar os outros por isso. nem fazer crescer em nós alguma revolta ou sentirmo-nos desiludidos por os outros não acompanharem as nossas EXPECTATIVAS.

Comentários

  1. É verdade! cada um vive a sua realidade como única. Depois existem pessoas com mais ou menos empatia. Que se conseguem colocar no lugar do outro mais facilmente ou que só dão importância ao seu próprio umbigo. cada vez oiço mais "com o mal dos outros posso eu bem". E eu não sou assim...não fico nada bem com o mal dos outros.
    E sim, também tenho pessoas que não gosto, e esses são-me simplesmente indiferentes.
    Se calhar estou do outro lado da rua a ver tudo tão diferente de como vês a vida.
    Não te conheço e só sei o que leio daqui.Mas por vezes, penso que viver a tua vida deve ser tudo menos fácil!!! A minha vida é perfeita para mim. Mas não vejo muitas pessoas com a vida perfeitas para elas. Será que preciso de óculos???
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Eu cá acho sempre que a minha perspectiva é de outro planeta, vejo sempre diferente dos outros e muitas vezes pior.
    Ahhhh espera, isso é porque sou míope :)

    ResponderEliminar
  3. Concordo, foi algo que, o crescimento me foi ensinando, pena que haja muito que não sejam capazes de tirar os "seus óculos".

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …