Avançar para o conteúdo principal

eu fui sempre assim

Eu sou uma das pessoas mais desinteressantes que conheço. Digo-o muitas vezes em conversa com aquela pessoa que vive dentro de mim. Já o começo a dizer em voz alta a algumas pessoas. Sei que zangam, mas não têm razão. 

Talvez por isso, não sinta grande vontade de conhecer pessoas. De lhes contar a minha vida. Deixo que falem da delas [as pessoas são óptimas a falar delas, não sei se alguém já reparou]. Sinto-me incapaz de dar voz ao que sou. Eu, que encontro a beleza em todo o lado, em todas as faces com que me cruzo. Acho que todas as pessoas são bonitas. Mas também as há muito interessantes. 

Talvez por me achar desinteressante, dê por mim a sair de cena, de mansinho, devagarinho para não darem conta que já ali não estou. Para não lhes admitir que não sou suficientemente interessante para estar na vida delas [ao ponto de lhes abrir o meu coração]. Talvez por isso, só me sinta confortável com os que me conhecem mesmo, mesmo bem. Os que fizeram por isso, não desistiram face aos meus argumentos e aos meus silêncios.

Este blogue é o sitio onde eu mais falo de mim. ninguém faz frete de me ouvir; fecha ali a cruzinha e pronto . por isso é que me vai continuando a apetecer estar por aqui.






Comentários

  1. Eu não faço frete nenhum:) ouvir-te é um prazer e tu és tonta, porque tens tanta coisa engraçada para contar! Não te tenhas em má conta, ok?

    Beijos, beijos*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Blanche Cerise,

      Olha que ter tanta coisa engraçada para contar não é sinónimo de ser interessante.:)

      Tenho dias que a má conta abunda mais que outros. Não teremos todos dias destes?

      Beijinho e espero que esteja tudo bem contigo

      Eliminar
  2. Sabes que mais, por aquilo que vais escrevendo por aqui, acho que não és desinteressante com achas que és. E é por isso que venho cá sempre, que estou sempre a par das actualizações do teu blog. Porque gosto muito do que escreves, do que falas, do que dizes.

    Mas tu é que sabes o que sentes e como te sentes, mais ninguém te pode convencer do contrário (e aqui acrescento que este post podia ter sido escrito por mim, no meu blog, a falar de mim...).

    Um beijo e uma excelente semana, Alice

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carla,

      Assim que li o teu comentário fiquei comovida com as tuas palavras. Obrigada.

      Sei que nem sempre nos é fácil gostar daquilo que somos e principalmente quando nos pomos com auto-análises que nos levam a sentir diferentes dos outros.

      Temos de trabalhar para todos os dias gostarmos um pouquinho mais de nós, não é?

      Beijinho

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…