Avançar para o conteúdo principal

Altos e baixos

O nosso casamento já teve muitos altos e baixos, como todos os outros certamente terão. Se nunca se falou em divórcio? sim, algumas vezes. Principalmente quando cada um de nós não conseguia ver as necessidades reais do outro e apenas pensava nas suas. Os momentos egoístas de cada um de nós trouxeram-nos dissabores mas também nos ensinaram a saber responder atempadamente ao outro. Ambos exigíamos um do outro aquilo que não tínhamos para nós mesmos: optimismo, dedicação, força.
Eu não sou de excluir a minha responsabilidade nas coisas menos boas do casamento. Se elas acontecem, a responsabilidade é de ambos. Não é apenas de um. Não assumir a nossa quota é azedar ainda mais o casamento. Estaremos a assinalar que fazemos tudo bem, que nós não temos nada a mudar. Apontamos o dedo ao outro para mudar. É mais fácil.
Ao longo do tempo, temos vindo a limar as arestas na comunicação. A saber antecipar nas necessidades do outro sem pôr em causa o nosso equilíbrio. Antes de exigirmos que o outro esteja sempre connosco, nas nossas vivências e soluções, avaliamos se o outro está em sintonia, sem anularmos a nossa personalidade.

Temos crescido enquanto casal. afinal, dizem que casa que não é ralhada não é governada, não é?

Deste esforço contínuo dos dois, partilhamos bons e maus momentos. Quando os bons acontecem, mesmo pequeninos, damos graças por o outro estar ali, por nos ter ajudado a mais uma vitória.

Hoje ele disse-me que está feliz por um acontecimento que partilhámos ontem. Nem sabemos se o tal acontecimento se concretizará, mas foi óptimo ele dizer-me que aquilo ter acontecido também se deve, não só ao seu mérito como da mulher que vive ao seu lado.

Quando a pessoa que está ao nosso lado nos valoriza, estamos no bom caminho para a relação continuar a crescer e florescer.  Acho que sim.

Comentários

  1. Há que saber reconhecer as coisas boas e más, isso permite que as coisas se ajustem.
    Também utilizo e concordo que " casa que não é ralhada não é governada" :)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Altos e baixos, quem não os têm :)
    A vossa relação parece-me saudável, forte...com o que é preciso para que se traduza em anos de vivência.
    Fico feliz pela felicidade alheia, tanto mais num mundo onde já há infelicidade que chegue.
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  3. Tão bom ler a tua partilha numa época em que tenho a sensação que todos desistem depressa demais das relações...!
    Parabéns aos dois!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  4. Acho que o segredo para uma relação funcionar e durar é o diálogo constante, a entreajuda, a cumplicidade e claro a capacidade de respeitarmos as liberdades de cada um. Procurar o equilíbrio entre o dar e o receber, haver sempre afecto e carinho. E claro, Amor. ^^

    Beijinhos :3

    ResponderEliminar
  5. Pela minha história de vida, não acredito que existam casamentos perfeitos. Não acredito que existam casamentos em que a vida é sempre "cor-de-rosa". Há sempre pelo menos um (ou mais) dia mau, há sempre altos e baixos (mais nalguns casamentos que noutros, isso já acredito) que vão surgindo ao longo da vida a dois.

    Não sou a melhor pessoa para falar sobre o casamento (sendo que um deles falhou), mas acho que o segredo da longevidade será o respeito pelo outro, a cumplicidade (e é o que presentemente se tenta fazer lá em casa), não falando no amor que esse para mim é a base.

    E por aquilo que escreves, eu também acho que sim, também acho que estão no bom caminho. No caminho certo.

    Fico feliz com a vossa felicidade.

    Um beijo e um bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  6. Parece-me que a vossa relação está construída e a crescer sobre bases sólidas. É bom saber de amores assim.

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. O meu casamento é igual. Temos altos e baixos. Desde que o pequenino nasceu os baixos têm sido mais frequentes, mas sinto ser normal pois andamos mais cansados, mais stressados... É uma aprendizagem, uma luta, mas também uma alegria e muito amor. <3

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …