terça-feira, 12 de novembro de 2013

Do amor

O melhor do meu dia foi passar da porta de casa do meu irmão para dentro e ouvir a histeria do meu sobrinho quando lhe anunciaram a minha chegada. Foi chegar-me a ele para que me desse um beijo e um abracinho e ele dizer-me que não me queria sujar de sopa, que ia limpar a boca primeiro. Contou-me entusiasticamente que já deixou de ter medo de ir à piscina, que pediu à educadora que ligasse à mãe a contar. O melhor do meu dia foi ele dizer que queria que brincássemos aos pais  e às mães com um boneco meu, que ele trouxe de casa dos meus pais com a devida permissão. Disse-me que desse o leite ao bebé enquanto ele ia cortar lenha. Vá lá saber-se a ligação. Falou-me que, no próximo Halloween, se quer vestir de abelha Maia. Não quer festejar o Natal porque tem medo do Pai Natal e mesmo que eu o substitua pelo Menino Jesus o resultado é o mesmo- uma grande choradeira. Ainda anda com a  mania dos instrumentos musicais e gostava de ter um piano com um microfone. Quis mudar a fraldas ao bebé que afinal passou a ser irmã dele e se chama Matilde. Tocou harmónica e não é que o miúdo tem jeito? Disse-me que era capaz de tocar duas harmónicas ao mesmo tempo. Chamei-lhe artista quando o fez. Ele negou por duas vezes e por outras tantas respondeu que era um herói. Envergonhou-se de ver o vídeo que a mãe fez dele a tocar harmónica. Contou-me  que a bateria estava no quarto das contas (a minha cunhada é contabilista). diz que já sabe o a-e-i-o-u e que quando for grande não quer ir para a escola dos adultos, quer ir para o ATL. Contou uma história à boneca Matilde. 
O melhor do meu dia foi deitarmo-nos no chão da sala a juntar os pares do seu novo jogo de cartas. Foi ele ter gostado muito que eu lhe tivesse desejado sonhos verdes, com círculos amarelos, estrelinhas azuis e triângulos cor-de-rosa. Deu-me um grande, grande abraço e foi despedir-se à porta quando a hora de dormir chegou.

O melhor do meu dia foi estar com o meu pequenino sobrinho. Hoje estava decidido que ia fazer os possíveis para o visitar, porque não se deve dar ao trabalho toda a importância do nosso mundo; porque eu quero estar presente no crescimento do meu afilhado - sou rapariga de levar muito a sério o meu papel de madrinha. 

Porque acho que devo fazer parte da vida dos que amo. 

3 comentários:

  1. Tão bom!!!
    O meu foi visitar-me na segunda-feira. Tive direito a um abraço tão, mas tão apertadinho e a um beijinho bem repenicado!!!
    Ganhei o dia ;)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Todos os meninos (e meninas) deviam ter uma tia assim. Porque se ele faz isso tudo contigo é porque se sente bem, é porque sabe o quanto o queres bem, é porque o fazes sentir querido .

    ResponderEliminar

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)