Avançar para o conteúdo principal

Do amor

O melhor do meu dia foi passar da porta de casa do meu irmão para dentro e ouvir a histeria do meu sobrinho quando lhe anunciaram a minha chegada. Foi chegar-me a ele para que me desse um beijo e um abracinho e ele dizer-me que não me queria sujar de sopa, que ia limpar a boca primeiro. Contou-me entusiasticamente que já deixou de ter medo de ir à piscina, que pediu à educadora que ligasse à mãe a contar. O melhor do meu dia foi ele dizer que queria que brincássemos aos pais  e às mães com um boneco meu, que ele trouxe de casa dos meus pais com a devida permissão. Disse-me que desse o leite ao bebé enquanto ele ia cortar lenha. Vá lá saber-se a ligação. Falou-me que, no próximo Halloween, se quer vestir de abelha Maia. Não quer festejar o Natal porque tem medo do Pai Natal e mesmo que eu o substitua pelo Menino Jesus o resultado é o mesmo- uma grande choradeira. Ainda anda com a  mania dos instrumentos musicais e gostava de ter um piano com um microfone. Quis mudar a fraldas ao bebé que afinal passou a ser irmã dele e se chama Matilde. Tocou harmónica e não é que o miúdo tem jeito? Disse-me que era capaz de tocar duas harmónicas ao mesmo tempo. Chamei-lhe artista quando o fez. Ele negou por duas vezes e por outras tantas respondeu que era um herói. Envergonhou-se de ver o vídeo que a mãe fez dele a tocar harmónica. Contou-me  que a bateria estava no quarto das contas (a minha cunhada é contabilista). diz que já sabe o a-e-i-o-u e que quando for grande não quer ir para a escola dos adultos, quer ir para o ATL. Contou uma história à boneca Matilde. 
O melhor do meu dia foi deitarmo-nos no chão da sala a juntar os pares do seu novo jogo de cartas. Foi ele ter gostado muito que eu lhe tivesse desejado sonhos verdes, com círculos amarelos, estrelinhas azuis e triângulos cor-de-rosa. Deu-me um grande, grande abraço e foi despedir-se à porta quando a hora de dormir chegou.

O melhor do meu dia foi estar com o meu pequenino sobrinho. Hoje estava decidido que ia fazer os possíveis para o visitar, porque não se deve dar ao trabalho toda a importância do nosso mundo; porque eu quero estar presente no crescimento do meu afilhado - sou rapariga de levar muito a sério o meu papel de madrinha. 

Porque acho que devo fazer parte da vida dos que amo. 

Comentários

  1. Tão bom!!!
    O meu foi visitar-me na segunda-feira. Tive direito a um abraço tão, mas tão apertadinho e a um beijinho bem repenicado!!!
    Ganhei o dia ;)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Todos os meninos (e meninas) deviam ter uma tia assim. Porque se ele faz isso tudo contigo é porque se sente bem, é porque sabe o quanto o queres bem, é porque o fazes sentir querido .

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]