Avançar para o conteúdo principal

Isto merece uma palavrinha: obrigada!

Quando abri este blogue decidi que os números seriam o menos importante que dele constasse - número de seguidores, de visitas, de comentários.
Quando comecei isto dos blogues ainda não tinha sequer nascido o campo Seguidores no blogger e quando apareceu toda a gente pareceu ter endoidecido.
Quando o blogue nasceu, interessou-me apenas escrever sem que este se aliasse a competições, rankings ou sei lá que mais. 

Tenho muito respeito por todos os que aqui passam; calculo que muitos se possam queixar por falta de reciprocidade nas visitas, outros ainda  de eu não responder aos comentários que aqui vão deixando. Não é nem por mal, nem por falta de vontade. É falta de tempo. Vou comentando nos outros blogues sempre que posso e quando acho que o devo fazer. Habitualmente não costumo deixar apenas duas palavras, deas que andam nas bocas de todos, com muitos "lol" à mistura.  Por norma, deixo palavras do que sinto verdadeiramente sobre o que se escreve. Se não gosto, não aponto nem recrimino. aceito que todos tenhamos ponto de vistas diferentes e aprecio muito pessoas coesas na sua mensagem e forma de sentir.

Há coisas que não me peçam para fazer: seguir os outros porque me seguem, abrir concursos só para atrair gente, criar uma página no FB porque toda a gente tem. A minha vida tem muita gente para gerir. As pessoas de carne e osso já me consomem todo o tempo. Gosto de organização e não sei viver sem ela. Durmo pouco e ainda assim, não me sobra tempo.

Isto tudo não é para me justificar. é para agradecer as cinquenta mil visitas a que este blogue chegou hoje. Também tinha decidido que este blogue não teria datas comemorativas próprias; dado que me porto mal com as visitas e na resposta aos comentários, segue a minha nota de culpa e os meus agradecimentos a quem ainda se presta a ler e a comentar, sem nada pedir em troca. Obrigada a todos. Também me fazem crescer e aprender! 

Comentários

  1. Embora nem sempre venha aqui comentar, leio sempre que posso e gosto muito dos teus posts, são boas análises ao quotidiano e vê-se que és uma pessoa inteligente e culta, com a cabeça pendurada no pescoço. ^^

    Parabéns pelos visitantes e que continues a crescer!

    Beijinhos e muitas Felicidades! ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh João,

      Agora fiquei sem palavras. Obrigada pelas visitas, pelos comentários, por estas palavras.

      Beijinho

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Gaja Maria,

      Obrigada. também gosto de te ter por cá e de te ler. és uma mulher muito à frente!

      Bjs

      Eliminar
  3. É assim mesmo, nada de ir na onda. ;)
    Também tenho o meu blogue como um "diário virtual", como um lavar de alma. :)

    ResponderEliminar
  4. De nada, é sempre um prazer ler este teu blog ;)

    Um beijo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…