Avançar para o conteúdo principal

Qual será a doença?

Os primeiros dias após as férias são mais cansativos que os dias que as precedem.  É estranho dizer isto mas sinto-me completamente morta de cansaço. 

Juro que tentei ter paciência com a colega do costume mas, cada vez mais, fico com a sensação que ela não percebe português, que não entende o que dizemos [mas ela  é portuguesa- nascida  e criada em Portugal]. Tenho-me esforçado por não ser dura [nem sempre consigo, hoje exaltei-me duas vezes]. Tento analisar minuciosamente o seu comportamento para perceber. Mas não sou capaz. 
As colegas que a acompanharam na minha semana de férias desistiram de tentar compreender aquela alminha. Deixaram-na afundar-se sozinha, porque ela não ouve ninguém, não toma nota das recomendações, ignora instruções. Imaginem-se a falar para uma porta. Conversas com ela é tal e qual.

Eu acho que ela tem um problema de percepção. A sério. Mas depois penso como é que alguém que tirou um curso de línguas - nomeadamente alemão - tem tanta dificuldade a entender português simples, tipo sujeito + verbo + complemento directo/indirecto. Será uma doença? 
Já não sei como ajudar para que ela desempenhe as suas funções de uma forma minimamente decente. Há quem já tenha deixado de se preocupar. Não tarda vou pelo mesmo caminho.
É insuportável andar um dia inteiro a organizar o trabalho por estar tudo com erros ou bastante atrasado. 



Comentários

  1. Realmente já a punham a andar, não? Sou contra a incompetência, sinceramente, ainda para mais quando a fila lá fora cresce e cresce! Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, mas dá trabalhar recrutar pessoas e muitas delas querem lá ter responsabilidade e trabalho?

      Mas acho que ali qualquer coisa que não incompetência. Tenho andado a investigar e creio que há ali doença mesmo. Algo que ela terá conseguido contornar até agora, mas com tantas variáveis ela ainda não terá conseguido encontrar novas soluções...

      Se assim for, acho que devo ajudar mesmo depois de eu já ter passado as passas do Algarve com ela,

      Bjs

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Candybabe,

      A mim tem-me acontecido sair do sério amiudadas vezes.

      Bjs

      Eliminar
  3. Pois... Deixar arrastar a situação só vai causar problemas a todos. Há momentos em que temos de dizer 'basta'. Bjs

    ResponderEliminar
  4. Se ela é um empecilho para a empresa, a minha decisão seria despedimento por mais que justa causa. Acredito que seja difícil recrutar gente competente e responsável, mas ainda assim mais difícil é trabalhar com essa 'anta' que só faz asneiras...

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]