terça-feira, 3 de dezembro de 2013

aos poucos [e verdadeiros] amigos que tenho

Tento ser uma pessoa sempre presente. se me fazem um pedido, acreditem que não me esqueço. Faço das tripas, coração. Corro mundos e fundos. As coisas que espero deles é que, de vez em quando, me perguntem como vai a vida [que a pergunta seja de coração, com interesse] e que se lembrem do meu aniversário. e que não demorem nenhuma eternidade a responder a uma ou outra sms. Se quisesse que a resposta demorasse, escrevia uma carta. Acho que não peço muito. Já disse que uma das minhas dificuldades é pedir, seja o que for, a alguém? Não é orgulho. É medo que me digam a mim, o que não digo a nenhum dos meus amigos.

Sei que a amizade não tem para a maioria o valor que eu lhe dou.  Ou chamam a amizade a uma coisa que eu chamo de conhecimento de circunstância. Amizade é um sentimento de raízes e não de areias movediças. não há dias que se é e dias que não se é amigo. 

Não deixo de acompanhar os meus amigos. Mas há muito que deixei de lhes dar conselhos. Mesmo que mos peçam. Limito-me a que cheguem às suas próprias conclusões e que arquem com as consequências das suas decisões. Assim, não agem contrariados nem sob a minha influência. Porém, não deixo de os espreitar pela janela, enquanto tentam subir acima do muro, esfolam os joelhos ou caem dele abaixo. Passei a ter a noção que não podemos evitar dor nenhuma a ninguém, mas podemos fazer por estar para lá, para tratar do joelho ou dar a mão para que o outro se equilibre em cima do muro, na sua nova perspectiva. Não pensem que não quero saber só porque não estou à vista. 

6 comentários:

  1. Os meus também são poucos, contados pelos dedos de uma mão...e é para esses que da minha parte nunca poderá faltar nada. Têm tudo de mim, porque o que me dão é incondicional.

    ResponderEliminar
  2. Se calhar a ideia que tens de amizade não é a mesma que a deles. beijos

    ResponderEliminar
  3. Eu sempre pensei (e continuo a penar) que a verdeira amizade é como tu a descreves no último parágrafo. Acho que não é preciso mais nada para uma amizade "funcionar".

    Um beijo

    ResponderEliminar
  4. Li este teu post e o meu coração encolheu-se... confesso-me culpada, minha querida Alice... Sei que não sou tão assídua nas respostas como tu mereces :( Desculpa!
    Sabes que estou aqui, mas nem sempre sou a melhor amiga do tlm ou do email.

    Beijos*

    ResponderEliminar
  5. Gostei do que disseste e em muito concordo contigo. E se as pessoas soubessem o quão difícil é ser-se assim pelo bem dos outros...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Poderia assinar o teu texto...
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)