Avançar para o conteúdo principal

aos poucos [e verdadeiros] amigos que tenho

Tento ser uma pessoa sempre presente. se me fazem um pedido, acreditem que não me esqueço. Faço das tripas, coração. Corro mundos e fundos. As coisas que espero deles é que, de vez em quando, me perguntem como vai a vida [que a pergunta seja de coração, com interesse] e que se lembrem do meu aniversário. e que não demorem nenhuma eternidade a responder a uma ou outra sms. Se quisesse que a resposta demorasse, escrevia uma carta. Acho que não peço muito. Já disse que uma das minhas dificuldades é pedir, seja o que for, a alguém? Não é orgulho. É medo que me digam a mim, o que não digo a nenhum dos meus amigos.

Sei que a amizade não tem para a maioria o valor que eu lhe dou.  Ou chamam a amizade a uma coisa que eu chamo de conhecimento de circunstância. Amizade é um sentimento de raízes e não de areias movediças. não há dias que se é e dias que não se é amigo. 

Não deixo de acompanhar os meus amigos. Mas há muito que deixei de lhes dar conselhos. Mesmo que mos peçam. Limito-me a que cheguem às suas próprias conclusões e que arquem com as consequências das suas decisões. Assim, não agem contrariados nem sob a minha influência. Porém, não deixo de os espreitar pela janela, enquanto tentam subir acima do muro, esfolam os joelhos ou caem dele abaixo. Passei a ter a noção que não podemos evitar dor nenhuma a ninguém, mas podemos fazer por estar para lá, para tratar do joelho ou dar a mão para que o outro se equilibre em cima do muro, na sua nova perspectiva. Não pensem que não quero saber só porque não estou à vista. 

Comentários

  1. Os meus também são poucos, contados pelos dedos de uma mão...e é para esses que da minha parte nunca poderá faltar nada. Têm tudo de mim, porque o que me dão é incondicional.

    ResponderEliminar
  2. Se calhar a ideia que tens de amizade não é a mesma que a deles. beijos

    ResponderEliminar
  3. Eu sempre pensei (e continuo a penar) que a verdeira amizade é como tu a descreves no último parágrafo. Acho que não é preciso mais nada para uma amizade "funcionar".

    Um beijo

    ResponderEliminar
  4. Li este teu post e o meu coração encolheu-se... confesso-me culpada, minha querida Alice... Sei que não sou tão assídua nas respostas como tu mereces :( Desculpa!
    Sabes que estou aqui, mas nem sempre sou a melhor amiga do tlm ou do email.

    Beijos*

    ResponderEliminar
  5. Gostei do que disseste e em muito concordo contigo. E se as pessoas soubessem o quão difícil é ser-se assim pelo bem dos outros...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Poderia assinar o teu texto...
    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]