Avançar para o conteúdo principal

O meu presente para todos

Este é o meu conto de Natal predilecto, mais de vinte anos passaram desde que o li a primeira vez. Atribuem-no (pelo que pesquisei) ao autor do Principezinho. Se eu tivesse jeito para ilustrações, este era o conto de Natal que eu ofereceria no Natal ao meu sobrinho, feito com as minhas mãos, embora não sendo minha a história. Já falei nisto há uns dias atrás.

Este é o meu presente para quem passa por estas bandas. Para quem gosta de contos, espero que aprecie tanto como eu.


As Filhós de Natal
Era uma vez uma velhinha que morava na última casa da aldeia, e como sempre acontece às pessoas que vivem sós, costumava pensar em voz alta. O tempo do Natal estava a chegar e a velhinha certo dia lamentou-se:
— Ai, já amanhã é a véspera de Natal e pela primeira vez na minha vida não vou comer filhós! Mas como havia eu de as amassar? Não tenho força nestes braços para pegar na abóbora que está em cima do muro... Não posso subir a uma escada para apanhar laranjas... 0 reumatismo não me deixa ir ao moinho buscar farinha, nem à loja comprar azeite... Para mais, as malucas das galinhas escondem os ovos lá pelos campos... E o mel acabou-se quando me constipei e tive de o tomar às colheres para curar a tosse. Dizia aquilo, mas bem se via que estava triste, porque gostava muito de filhós. Todos os velhinhos gostam de coisas doces. Naturalmente porque já têm poucos dentes e os doces derretem-se na boca sem ser preciso mastigá-los. Um cão que passava em frente da casa, ouviu-a e ficou cheio de pena.
- Coitada da velhinha! Se eu pudesse, ajudava-a...Olhou para o muro e viu a abóbora grande, redonda, cor-de-rosa.
- Sou muito bem capaz de a atirar ao chão — ladrou o cão lá para consigo. Assim soubesse trepar às árvores que também lhe apanhava as laranjas. Foi então que se lembrou do gato que andava em cima do telhado e chamou-o:
- Ó gato, queres ajudar a velhinha a fazer filhós?
- Eu?! De que maneira?
- Podes trepar à laranjeira e apanhar-lhe duas laranjas.0 gato miou logo que sim, e o cão contou-lhe o que também pensava fazer.
- Bom, mas ainda falta a farinha.
- Pois falta! - ladrou o cão.
- Há por aí um rato que deve conhecer todos os cantos do moinho e pode arranjá-la. Vou falar com ele. E o gato pôs-se à procura do rato. Não foi difícil encontrá-lo, a espreitar à entrada do seu buraquinho. -Ó rato, queres ajudar a velhinha a fazer filhós?- Eu?! De que maneira?- Podes ir ao moinho e trazer-lhe farinha. O rato soltou dois guinchinhos que queriam dizer "sim, sim", mas perguntou por sua vez:
- E o azeite?
- É verdade! Falta o azeite ainda.
- Eu conheço uma coruja que mora na torre da igreja. Talvez ela consiga arranjar algum. Vou pedir-lho. E o rato meteu por um carreirinho que ia ter à igreja da aldeia. Subiu os degraus da torre, e lá no alto foi encontrar a coruja a dormitar. Chamou por ela:
- Ó coruja, queres ajudar a velhinha a fazer as filhós?
- Eu?! De que maneira?- Podias dar-lhe uma pinguinha de azeite.- O azeite não é meu, é de Nosso Senhor; mas como é para a velhinha festejar o Natal, tenho a certeza de que Ele não se vai importar. Que eu para mim nunca Lhe bebi nem uma gota, apesar do que muita gente pensa a meu respeito.
- Bom. O azeite está garantido.
- Sim, mas então os ovos? - piou a coruja.
Pois é, faltam ainda os ovos, mas as malucas das galinhas escondem-nos bem escondidos.
- Talvez o milhafre que vê muito bem ao longe possa dar um jeito. Nós ainda somos parentes; vou falar com ele. E a
corujafoi em busca do milhafre. Custava-lhe um bocado a aguentar nos olhos a claridade do dia a que não estava habituada, mas para ajudar a velhinha, valia a pena o sacrifício. Lá muito no alto, ao pé das nuvens, viu um milhafre a peneirar, de asas abertas. Peneirar, chama-se ao voo quase parado dos milhafres, quando andam à procura de caça.
- Ó milhafre! - gritou a coruja. Tu queres ajudar a velhinha a fazer as filhós?
- Eu?! De que maneira?
- Vê se descobres o sítio onde as galinhas escondem os ovos.
- Está bem — respondeu o milhafre. Mas onde se vai arranjar o mel?
- É verdade! 0 mel...
- Deixa que eu pergunto às galinhas se por acaso viram alguma abelha. Enquanto a coruja voltava para a sua torre, o milhafre começou lentamente a descer lá dos altos, sempre de olhos bem abertos até que por fim avistou três ovos escondidos numas moitas. Baixou mais e veio pousar num terreno onde uma galinha depenicava.
- Olá, galinha! Queres ajudar a velhinha a fazer as filhós?
- Eu?! De que maneira?
- Oferecendo-lhe alguns dos teus ovos.
- Com todo o gosto – cacarejou a galinha.
– Mas ainda falta outra coisa, que é o mel.- Já tinha pensado o mesmo. Não encontraste por aí nenhuma abelha?
- As abelhas no Inverno pouco saem do cortiço... Mas agora me lembro de que vi uma delas, meio entorpecida de frio, acolá nas urzes. Assim lá esteja ainda. E a galinha dirigiu-se ao sítio indicado, pezinho cauteloso à frente um do outro, cabecinha à banda ora virada à direita, ora virada à esquerda. A abelha continuava, sonolenta e friorenta, poisada numa haste.- Ó abelha queres ajudar a velhinha a fazer as filhós?
- Eu?!De que maneira?- Dando-lhe um bocadinho de me! É só o que falta.
– Nesta altura do ano há pouco, mas temos ainda uma pequena reserva, e como é só para uma pessoa, arranja-se. Vou buscá-lo – zumbiu a abelha, levantando voo com alguma dificuldade.
Se tens frio e estás cansada, pousa na minha cabeça que eu levo-te ao cortiço – ofereceu a galinha.
– Aceito e agradeço – respondeu a abelha. Na véspera de Natal, quando a velhinha se levantou foi encontrar na cozinha a abóbora, as laranjas, a farinha, o azeite, os ovos e o mel necessários para fazer as suas filhós.
(Não me perguntem como foi que os animais transportaram tudo para ali. Nas histórias estas coisas acontecem, mas ninguém sabe como...)
– Milagre de Natal! – exclamou a velhinha. E foi cozer a abóbora, descascar as laranjas, amassar os ovos com a farinha, fritar as filhós…e à ceia enquanto as comia, regadas com mel, repetia sempre:
– Milagre de Natal! Milagre de Natal!

Para mim, o verdadeiro milagre de Natal foi outro: foi o cão não ter mordido no gato, o gato e a coruja não terem querido comer o rato, o milhafre não ter levado a galinha, a galinha não ter comido a abelha, a abelha não a ter picado e todos, sem desconfiança uns dos outros e em paz, terem juntado a sua boa vontade para que a velhinha pudesse comer as suas filhós na noite santa de Natal.

Antoine de Saint-Exupéry

Comentários

  1. Obrigada! :)

    Um Santo Natal e um 2014 sorridente.
    Beijinhos <3

    ResponderEliminar
  2. Lindo!
    Se todos lutassemos pelo mesmo objetivo era possivel esquecer as diferenças e concretizar o que parece inconcretizável!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Obrigada. Vou levá-lo e contá-lo aos meus filhos. É este o espírito do Natal, a solidariedade, a entreajuda.

    Um beijo muito grande e um Natal cheio de paz e serenidade.

    ResponderEliminar
  4. Um Novo Ano cheio de Luz, Alice. Que consigas concretizar os todos os teus desejos.

    Um beijo grande

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…