Avançar para o conteúdo principal

presentes com significado

O Natal é muito das crianças mas, lá por ser adulta, continua a ser a minha época favorita. Só uma desgraça de me partir o coração, nesta altura do ano, me fará deixar de gostar do Natal. Talvez.

Apesar de me julgar uma pessoa que não sonha muito, por ter os pés pregados à terra, dou por mim a contar os projectos que inconscientemente fiz, para quando um dia tivesse um filho. Perante aquilo que parece uma remota possibilidade, remeto os projectospara o meu sobrinho. Aliás, lembro-me muitas vezes dele; dou por mim  asorrir quando me lembro do sorriso dele ou de algo que me disse.

Há dois meses, andava ele com o fascinio dos instrumentos musicais; pensei em comprar um, mas julguei que, por altura do Natal, já tivesse outro interesse e acabei por comprar outra coisa. Já tem bateria, flauta e umas maracas. O Natal vai trazer-lhe uma guitarra e um piano com microfone.  Estes últimos andou ele a pedinchar que gostava muito. Achei uma piada ao pormenor que o piano tinha de ter microfone.

Entretanto tive outras ideias relacionadas com ilustração e desenho, mas com a fallta de jeito, acabei por as abandonar. Também não sei se ele acharia grande piada. Hoje em dia, os miúdos têm tanta coisa disponível para brincar que o meu projecto acabou por me parecer insignificante. Com todos aqueles instrumentos musicais, acho que nem ligará nada ao que eu já lhe comprei...

Ontem, dei por mim, a pensar que gostaria de lhe oferecer um livro do Principezinho, com uma dedicatória, para ele abrir daqui a uns anos. Seria um presente para o futuro, já que ele só tem três anos. Pediria aos pais para lho entregarem numa determinada data. Acabei por deixar cair também a ideia. Nem sempre as pessoas entenderão o meu propósito e as minhas palavras e a magia que eu gostaria que acontecesse acaba por se desvanecer.

Às vezes, deixo de estar pregada ao chão, e deixo que os projectos cresçam na minha cabeça. Mas logo volto a terra. No Natal, isto acontece-me muito. Não sei explicar. Se calhar, sou uma criança que gostava de ter sido.

Comentários

  1. Que sentimentos tão parecidos nos unem...
    "Às vezes, deixo de estar pregada ao chão, e deixo que os projectos cresçam na minha cabeça. Mas logo volto a terra." É isto mesmo.
    Um beijo cheio de carinho para ti e para o teu querido menino.

    ResponderEliminar
  2. É importante continuarmos a ser um pouco crianças!!!!!
    E este altura do ano... Puxa a isso :D
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Também adoro esta época...consegue devolver-nos a magia de ser criança...mesmo se não houver nenhuma por perto...!
    Beijinhos
    Maria
    P.S. Se ter um filho é um desejo seu não desistas nem penses que é tarde...pelo que vejo darias uma excelente mãe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria,

      Infelizmente não sou mãe por falta de vontade (e tentativas também não! :)). Por vontade nossa já seria mãe há muito tempo. Pelos vistos a cegonha não sabe onde é a nossa casa.

      Sabes, todo este tempo sem conseguir ter filhos tem-me dado que pensar e possivelmente passei a ter medo de o ser, de não estar à altura de tamanha responsabilidade. O tempo passa e cada vez o assunto é mais pensado e começo a achar que se calhar, a natureza selecciona pessoas mais capazes de ser mãe que eu... é a vida. temos de nos conformar com o que temos e não sonhar com o que não podemos ter.

      Beijinho grande e obrigada pela força.

      Eliminar
  4. Eu sou igual a ti. Ainda sou uma criança por dentro e imagino coisas, o que gostaria de fazer, de dar... Depois cai tudo por terra porque as crianças de agora têm coisas que nunca sonharíamos ter.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]