Avançar para o conteúdo principal

o que lá vai, ainda está... [isto é um texto estranho e confuso]

Dizem que o que lá vai, lá vai. Por aqui o que lá vai, deixou algumas mazelas estranhas. 
Tenho-me apercebido que o meu sexto sentido, ou poder de observação, tem-se tornado cada vez mais aguçado ao ponto de sentir um certo receio, por mim, pelos outros. às vezes, dava-me menos que pensar se não me apercebesse de certas realidades à minha volta.
Sei que a maioria das pessoas julga que o mal só acontece aos outros. Já eu - neste lado mais negro que não consigo aliviar - penso exactamente o contrário. Se o mal acontece aos outros, eu não sou diferente para não me acontecer a mim. 
Nos últimos meses de 2013 pressagiei umas quantas coisas, que acabaram por se verificar [não tenho poderes sobrenaturais ou algo assim; limitei-me a ouvir e observar, volto a dizer]. Quando me contaram, senti-me mal por diversas razões: por ter pressentido que iriam acontecer, por terem acontecido e por as pessoas envolvidas nunca se terem apercebido.
Andei bastantes dias mais calada, tive alguns ataques de ansiedade e na véspera de Natal [de que tanto gosto] todo o encantamento da época se desfez.
A juntar a estes acontecimentos antevistos, passar mais de mês e meio a fingir que não sabia de nada foi coisa para me andar a atormentar. Foi fingimento a pedido que não deixou de o ser. Fingir que não sabia que o despedimento ia acontecer. Pensei tantas vezes que preferia não ter sabido. Falei cá em casa no assunto vezes sem conta. Dei-me conta que o fingimento dos outros era tão perfeito, que me assustava verdadeiramente. Esperei que acontecendo, ela ia "partir da loiça toda" e estranhamente não aconteceu. toda a gente o esperava daquela pessoa inigualável a alguém, a mais estranha e perturbadora das pessoas que conheci até hoje. Ao ponto de me arrepiarem as más energias que parecia sentir. Quase diabólicas. Mas quando não percebemos, justificamos com isoterismo.
Despedir alguém em altura de Natal também é coisa para não desejar a ninguém. Mas aconteceu. Com fundamentos de [mau] trabalho, de correcções desesperantes a uma pessoa que parecia viver em muitas realidades paralelas. Mas continuo a achar que por ali havia uma justificação mais presente que a incompetência.Doença. Psicopatia não tratada. Gostava de ter sido eficaz na minha avaliação e tudo tivesse sido diferente. Gostava de poder ter ajudado se eu soubesse onde/como ajudar. Lá porque antevemos coisas não quer dizer que tenhamos o poder de as mudar antes de acontecerem. Normalmente as pessoas são surdas a estas antevisões. E eu sou muda em dizê-las, porque não me cabe a mim ditar o futuro de ninguém com o que observo, com o que não consigo explicar, com aquilo que não passa de um presságio. Como justifico a alguém que o caminho não é aquele só porque o meu sexto sentido diz? O sexto sentido é coisa com pouco intervalo de confiança, é coisa empírica.
Já disse que as mudanças me assustam? Fazem-me sentir frágil, incompetente, agitada.
2014 foi o ano de começar tudo de novo. Conhecer uma pessoa nova, dar formação a par de trabalhar [muito]. Medos estranhos das mudanças - ainda que esperadas, são sempre uma incógnita.
Ando cansada desta roda viva. ando assustada com uma série de situações. Não ando apaixonada por nada. As resoluções ainda não foram passadas para o papel, apesar de ter prometido fazê-las. A mudança de atitude exigia o marco da mudança de ano, a par das mudanças do último ano. Se calhar ando a fazer ajustes e ainda não me sinto preparada. Às vezes pergunto-me se, de tão desajustada que sou, não caiba na minha vida um filho. Agora, seis anos de tentativas dão-me para avaliar as coisas desta forma. Amadurecer também traz ideias do passado amadurecidas. Se calhar é a natureza a ter a sua razão, a não deixar acontecer.
Se nunca pressagiei que poderia não conseguir ter um filho? Talvez a resposta não estranhe. sim, pressagiei. Nem sei porquê. Talvez porque saiba que, nesta vida, nada é perfeito.









Comentários

  1. Nem sempre as nossas vidas fazem sentido, mas espero que logo, logo as coisas se encaixem. Que o trabalho volte ao ritmo normal e com menos desequilíbrios, de preferência, que o tempo para pensares e refletires na vida também regresse. 2013 pode não ter sido um ano fácil, mas 2014 vai ser melhor.
    Tens é de levantar o astral, sim? Não gosto nada de te 'ler' assim...

    Beijos, beijos*

    ResponderEliminar
  2. Nem tão estranho, nem assim tão confuso. É o transmitir de sentimentos que muitos de nós por vezes temos e não conseguimos passar nem para o papel, nem para lado nenhum.

    Beijinhos Alice e que tudo se torne mais leve para si.

    ResponderEliminar
  3. Nada é perfeito nesta vida e ter consciência disso já é um grande passo.
    Algo fundamental é a Esperança para ajudar a viver com os problemas que surgem...
    Não desistas dela*
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Nem sei que te diga Alice. Viver com esses mais presságios não dever mesmo nada bom para ti ainda por cima na altura que foi. Mas espero que tudo se componha depressa e que consigas encontrar o equilíbrio. Tudo isso são vivências que nós dão maturidade e dureza para enfrentar dificuldades. Cuida-te. Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Querida Alice há fases na vida que nos fazem pensar...e muito...por vezes nem as percebemos enquanto as vivemos...só mais tarde...mas depois seguem-se outras em que tudo se encaixa e parece fazer sentido...e quem sabe até o que não se espera já...ainda chega...sei do que falo :))))...Não temas as mudanças...a vida é isso mesmo mudança constante...mudamos em cada experiência em cada aprendizagem...!
    Beijinhos e tudo de bom
    Maria

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]