Avançar para o conteúdo principal

A ideia era mudar este blogue, para um sítio de coisas felizes, mas recomeço mal

Há pessoas a quem já não basta perdoar. Porque já perdoámos demasiadas vezes o seu esquecimento, a sua incúria, o seu egoísmo.

Para quem tem dificuldade em esquecer, que finja o esquecimento. Um dia o esquecimento acontece mesmo.

Ninguém gosta de ser a última opção.


Comentários

  1. Como te compreendo. A minha melhor amiga caíu no esquecimento por tanta ausência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Flor Guerreira,

      Eu já não sei bem qual é o conceito de amizade. Talvez seja eu que não esteja bem a ver as coisas ou faça mal em exigir dos outros aquilo que mais me consomem a mim.

      Quando há mal entendidos, talvez se entendam as ausências, que se resolvam com o diálogo, esperamos nós. Quando não os há, que se faz?

      Beijinho e obrigada por acompanhares o regresso

      Eliminar
  2. Sê bem-vinda de volta!
    Lembrava-me de ti tantas vezes...

    A vida é feita também dessas pessoas, de desilusões, de sentimentos maus. Cabe-nos a nós tentar lidar da melhor forma com elas. Tarefa nem sempre fácil...
    Beijinho grande e coragem!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dear Daisy,

      Às vezes precisamos afastar-nos do que nos consome demasiado tempo e nós traz alguns dissabores. Não escrevi nada desde o dia em que este blogue foi fechado. quando algo não nos preenche, acho que devemos dar um tempo para saber se precisamos disso.

      A questão não será lidar com essas coisas más, será quando esperamos das pessoas aquilo que as outros esperam sempre de nós; e do outro lado, só seremos opção quando não houver mais ninguém mais ninguém para estar ou com quem falar.

      Como diz o meu marido, eu vejo as coisas- boas e más- que poucos conseguem ver e outros esconder, e acabo por ser demasiado sensível a elas. Talvez eu seja uma pessoa das coisas pequeninas e não do que entra pelos olhos dentro.

      Beijinho e obrigada por acompanhares o regresso

      Eliminar
  3. Um sitio de coisas somente felizes é demasiado artificial não achas? Percebi que tinhas privatizado o blog...mas ainda bem que voltaste aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jardim de Algodão Doce,

      Vou tentar que seja um lugar de coisas mais felizes que tristezas. Tentar ver o lado mais bonito, em lugar do negrume com o qual me entristeço facilmente. Não sou uma pessoa triste por natureza, pelo contrário. Mas mergulho muitas vezes em recantos mais escuros, que me puxam para baixo e me tornam uma incapaz.

      A vida é longe de ser apenas cor-de-rosa, mas não precisa de ser sempre negra. Não quero que os momentos em que sou a minha pior inimiga tomem muito dos meus pensamentos. É nisso que tenho de me empenhar - gostar mais, ser mais, estar mais, ganhar mais, para ser todos os dias um bocadinho feliz.

      O blogue não foi privatizado, simplesmente precisei de um tempo para saber se valia a pena continuar. Porque sou de fazer as coisas por inteiro, e eu precisei de tempo para saber o lugar onde me encontro.

      Beijinho e obrigada por acompanhares este regresso.

      PS - Apesar de retirada de escrever, de vez em quando lia os teus posts, e estive quase até ao fim para me decidir se me inscrevia no teu passatempo. Gosto de me envolver em coisas que sei capaz de cumprir e tive medo de não ser capaz. Fiquei quieta. talvez um dia destes...

      Eliminar
  4. Ainda bem que voltaste, já me tinha perguntado o que seria feito de ti... Pois a vida é feita de coisas tristes e de coisas felizes, deve ser por isso que se chama vida. De vez em quando há que parar, reflectir e acima de tudo ultrapassar e seguir em frente. Eu também fechei o meu blog recentemente, mas depois reflecti e voltei a abri-lo. Há coisas, há pessoas, há situações por quem não vale a pena deixar de fazer o que gostamos... Além disso nós somos apenas responsáveis por aquilo que escrevemos e dizemos, não por aquilo que cada pessoa teima em interpretar. Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Esquecer é tão difícil! O tempo vai atenuando a falta, os sentimentos menos bons em relação a quem nos magoou, mas lá no canto da memória ficam sempre recordações das boas e menos boas. Fazem todas parte, ajudam-nos a crescer.
    Fico feliz por teres voltado, vim cá espreitar umas quantas vezes. :)

    Abraço*

    ResponderEliminar
  6. Bem-vinda de volta...fiquei triste quando percebi que tinhas fechado o blog...sempre te acompanhei...e de repente...senti que tinhas desaparecido...todos nos passamos em alguma fase da vida por estas situações...mas erguer a cabeça e dar a volta...
    beijinhos Joana

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]