Avançar para o conteúdo principal

Vão chamar-me flor de estufa, não vão?

Imaginem que têm uma amiga, que não vêem há algum tempo. Ao longo desse tempo, notando que há muita falta de vontade da outra parte em manter um contacto regular- apesar dos inúmeros esforços que fiz, para que não se sentisse sozinha, fartamo-nos da indiferença,começamos a fazer o mesmo. Há a possibilidade de nos revermos, e ela faz muita questão nisso. Enquanto estamos juntas consulta o telemóvel uma dezena de vezes - só isso faz-me pensar que sempre que lhe mandei sms, não me responderia por não ter visto, já que está sempre com o telemóvel debaixo de olho. Separamo-nos e, poucos dias depois, volto ao esquecimento, quando lhe mando duas sms. Numa a pedir uma informação - se disso dependesse a minha vida, já teria morrido- e noutra num acto de cortesia e delicadeza desejo-lhe felicidades para mais uma das suas jornadas difíceis. Silêncio absoluto. 

Porque é que eu gasto o meu precioso tempo, que o que tem mais para me dar é indiferença?

Também tenho daquelas pessoas que falam da sua vida, só tristeza, só lamúrias, são umas coitadinhas que o universo conspira contra elas e o que é que eu faço? Lá injecto eu o máximo de optimismo que consigo, uso o meu parco tempo a evitar um pseudo-suícidio (não me pese depois isso na consciência) mostro-lhe uma série de opções melhores do que o que caminho que estão a enveredar. Uau, fantástico, parecem renovadas, prontas para a luta: Ok, respondem-me. Daí a uns tempos falamos: porque ai que estou muito triste, muito desiludida, que coitadinha que eu sou.E então o que lhes disse? Se as pessoas preferem continuar no mesmo registo para que me pedem ajuda?

Não costumo dizer palavrões, não em público, não aqui com todas as letras. Mas, puta que pariu isto, que só não me sai na rifa gente que está-se a borrifar para o que eu digo, para o que eu sinto, ou para o tempo que estou a perder. E depois venham-me com histórias que  acham que eu estou mais silenciosa, logo estou mal. O silêncio é preciso e não é porque se esteja mal, é porque à minha volta conheço muita gente com muita vontade de falar e nenhuma para ouvir. Às vezes tenho coisas muito boas para contar e perco logo a vontade de as dizer, por isso, deixa-te estar calada, boca...

Ando tão fartinha! Nem imaginam quanto. Só não se aproximam de mim para me dar nada, ou facilitar a vida. e isso era bem-vindo, oh se era! (pronto, há excepções; mas a regra tem sido atrair gente a quem só precisa de mim quando dá jeito. Há que procurar gente optimista, porque para negro já basta o lado mais escuro da minha vida que me entristece e com o qual não faço alguém perder tempo).

Comentários

  1. Tão verdade... acho que o passo lógico, depois de tentarmos para não ficar a pensar que 'a culpa é nossa', é cortar mesmo o mal pela raiz. Acho que se é tão difícil conseguir manter contacto é porque não tem de ser. E coisas que fazemos de obrigação devem ser reduzidas ao mínimo não é? Já basta as inevitáveis, o resto que se dane... de resto, quanto mais pessoas +++++ tivermos à nossa volta melhor mesmo... eu sinto-me logo outra! Beijinhos e flor de estufa nada :) xx

    ResponderEliminar
  2. Por vezes olhamos à volta e apercebemo-nos que temos de nos afastar de algumas pessoas que nos rodeiam e que apenas ensombram a nossa vida...percebê-lo é meio caminho andado:))!
    Amigos verdadeiros normalmente são poucos...mas valem a pena!
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  3. POis é isso Alice, por vezes é preciso mudar o rumo e acertar os ponteiros na direcção do que nos faz bem. Bj

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente o que se vê mais é pessoas assim...
    Também me vai acontecendo...
    Mas tens de evitá-las e procurar pessoas que puxem por ti e te animem!
    Tal como tu fazes*
    Não desistas que vais encontrar malta decente*
    ;)

    ResponderEliminar
  5. Olá Alice
    Revejo-me em muitas das coisas que aqui falas. A diferença é que eu já consegui deixar de dar importância a esse género de pessoas. Foi duro, fou muito duro, mas consegui. Ajudo quem pretende ser ajudado, dou apoio a quem pretende mesmo levantar-se, de resto faço por ter ouvidos moucos para quem faz questão de ver tudo a preto e cinza rato!
    Tudo o que contas só desejo que faça parte da tua aprendizagem e que consigas dar a volta por cima. Às vezes para aprendermos precisamos de esfolar os joelhos e os cotovelos!

    Para finalizar desejo muito que o lado mais escuro da tua vida, logo, logo se ilumine.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Infelizmente, o que há mais por ai é gente interesseira. Amigos, tenho muito poucos, conto pelos dedos de uma mão. O resto? É apenas cenário. Aprendi a ignorar tudo o que não merece a pena. Tudo o que não vale o esforço.
    Por isso, não te vou chamar flor de estufa mas sim dizer que não olhes para trás e "caga" em quem não merece nada.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…