segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Há coisas de que me afasto porque acho que não valem a pena

fun·da·men·ta·lis·mo 
(fundamental + -ismo)
substantivo masculino

.Atitude de intransigência ou rigidez na obediência a determinados princípios ou regras.


                                                                                      in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa


Sou teimosa que nem um burro, é certo. Mas há coisas que não posso teimar com outros para que pensem como eu. Tendo essa noção, calo-me, continuo a acreditar que as convicções de cada um, a mim nada me perturbarão, desde que todos nos respeitemos. Sem ameaças, sem ressentimentos, com respeito.

Mas seja em que campo for, quando as convicções das pessoas passam a  fundamentalismo, ultrapassa-se a liberdade de cada um. Amedronta uns, inflama outros. Quando a sua opinião se quer fazer prevalecer sobre outras, divergentes ou semelhantes, entramos em colapso, desrespeito, e chegamos a cometer barbaridades, atrocidades.(às vezes leio comentários, crónicas, artigos  que destilam ódio por coisas tão ínfimas; pergunto-me que tipo de pessoas estamos a alimentar. retiro-me e decido não voltar mais. Não faço barulho e não desejo voltar ali. não alimento chamas, não  espalho combustível. não acendo lume)

tudo se quer com conta peso e medida, e acima de tudo, todos temos direito a opinião; temos o direito a tê-la, mas o direito à sua imposição, não.. e isto, de respeito e de imposição é válido para todas as nossas intervenções em sociedade não somente as religiosas.


4 comentários:

  1. Concordo e também me mantenho ao largo. Não gosto de extremos ...

    ResponderEliminar
  2. Realmente em pleno século XXI é muito triste que ainda se vejam coisas destas...

    ResponderEliminar
  3. Normalmente eu sou muito aguerrida com aquilo em que acredito, mas não acredito que o fundamentalismo traga algum bem a alguém. Aliás, de todos os acontecimentos ocorridos nos últimos anos que foram provocados por pessoas fundamentalistas de alguma religião ou de algum partido político houve bastantes vítimas (de repente lembro-me das Torres Gémeas, do ataque em Madrid e do metro de Londres e obviamente do jornal em França). Os fundamentalistas também acabam por morrer na maioria dos casos e matam centenas ou até milhares de pessoas, mas como cumpriram com a sua missão (ainda que suicida!) acham que todas as vítimas são um mal menor. As pessoas acabam por sofrer, não só as vítimas diretas, mas todos os nós quando passamos a ter medo de sair à rua...

    ResponderEliminar
  4. Vivi com uma fundamentalista religiosa durante muito tempo. Aliás ainda vivo mas em casas diferentes. Tal traumatizou-me e levou-me a hoje em dia ser avessa ao assunto (criticada por muitos, apelidada de isto ou aquilo por outros). Portanto, fundamentalismo é algo de tal forma depreciativo, e já definido devidamente por muitos (não vale a pena me alongar mais nisso), que só pode levar a situações traumáticas emocionalmente, que muitas vezes têm repercussões dramáticas que vão para além das emoções.

    ResponderEliminar

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)