Avançar para o conteúdo principal

Há coisas de que me afasto porque acho que não valem a pena

fun·da·men·ta·lis·mo 
(fundamental + -ismo)
substantivo masculino

.Atitude de intransigência ou rigidez na obediência a determinados princípios ou regras.


                                                                                      in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa


Sou teimosa que nem um burro, é certo. Mas há coisas que não posso teimar com outros para que pensem como eu. Tendo essa noção, calo-me, continuo a acreditar que as convicções de cada um, a mim nada me perturbarão, desde que todos nos respeitemos. Sem ameaças, sem ressentimentos, com respeito.

Mas seja em que campo for, quando as convicções das pessoas passam a  fundamentalismo, ultrapassa-se a liberdade de cada um. Amedronta uns, inflama outros. Quando a sua opinião se quer fazer prevalecer sobre outras, divergentes ou semelhantes, entramos em colapso, desrespeito, e chegamos a cometer barbaridades, atrocidades.(às vezes leio comentários, crónicas, artigos  que destilam ódio por coisas tão ínfimas; pergunto-me que tipo de pessoas estamos a alimentar. retiro-me e decido não voltar mais. Não faço barulho e não desejo voltar ali. não alimento chamas, não  espalho combustível. não acendo lume)

tudo se quer com conta peso e medida, e acima de tudo, todos temos direito a opinião; temos o direito a tê-la, mas o direito à sua imposição, não.. e isto, de respeito e de imposição é válido para todas as nossas intervenções em sociedade não somente as religiosas.


Comentários

  1. Concordo e também me mantenho ao largo. Não gosto de extremos ...

    ResponderEliminar
  2. Realmente em pleno século XXI é muito triste que ainda se vejam coisas destas...

    ResponderEliminar
  3. Normalmente eu sou muito aguerrida com aquilo em que acredito, mas não acredito que o fundamentalismo traga algum bem a alguém. Aliás, de todos os acontecimentos ocorridos nos últimos anos que foram provocados por pessoas fundamentalistas de alguma religião ou de algum partido político houve bastantes vítimas (de repente lembro-me das Torres Gémeas, do ataque em Madrid e do metro de Londres e obviamente do jornal em França). Os fundamentalistas também acabam por morrer na maioria dos casos e matam centenas ou até milhares de pessoas, mas como cumpriram com a sua missão (ainda que suicida!) acham que todas as vítimas são um mal menor. As pessoas acabam por sofrer, não só as vítimas diretas, mas todos os nós quando passamos a ter medo de sair à rua...

    ResponderEliminar
  4. Vivi com uma fundamentalista religiosa durante muito tempo. Aliás ainda vivo mas em casas diferentes. Tal traumatizou-me e levou-me a hoje em dia ser avessa ao assunto (criticada por muitos, apelidada de isto ou aquilo por outros). Portanto, fundamentalismo é algo de tal forma depreciativo, e já definido devidamente por muitos (não vale a pena me alongar mais nisso), que só pode levar a situações traumáticas emocionalmente, que muitas vezes têm repercussões dramáticas que vão para além das emoções.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]