Avançar para o conteúdo principal

quando somos nós a fazer, em lugar de comprar feito

Tenho andado numa pequena correria contra o tempo, após sair do trabalho. Embora continue a chegar a horas mais razoáveis a casa - as actividades de tempos livres  a que me impus obrigaram-me a ceder quanto ao trabalho - tenho, nestes últimos dias, de responder a umas quantas solicitações urgentes da minha cunhada.
A R. lembrou-se, este ano, que havia de oferecer às amigas e familiares, em datas especiais - aniversários e assim-, coisinhas feitas à mão. Lembrou-se das pequenas coisas que vou fazendo, e bombardeou-me com uns quantos pedidos ultra-mega urgentes. Ando agora de volta de uma carteirinha e uma capa de agenda. Para lhe entregar amanhã à noite. Isto não é bem atar e pôr ao fumeiro, mas fui incapaz de recusar...

Bom, nunca vi estas coisas como forma de fazer negócios - continuo sem ver! Dá-me prazer criar, ver as peças a nascerem, embora estes prazos curtos que ela agora me apresenta me deixem um pouco stressada. Gosto de tudo muito perfeito e a pressa é inimiga da perfeição. Embora os defeitos façam a unicidade da peça :).

Gosto muito destas pequenas diversões de costura mas admito que haja muita gente que preferirá produtos comprados em lojas de nome, embrulhadas em papéis caros e metros de laços no topo. Às vezes, não conhecendo assim tão bem as pessoas como desejaria, cedo à vontade de criar e a peça surge torcendo para que aquela pessoa goste. Mas, confesso, hesito bastante antes de entregar. Lá porque eu gosto e foi feita a pensar nessa pessoa, não quer dizer que ela goste. Tenho medo que faça o frete em a receber, ou nunca lhe venha a dar uso.
Muitas vezes, fico com a ideia que eu tive mais gosto em fazer e oferecer do que a pessoa em receber. Dá.me ideia que estará à espera de uma coisa assumidamente cara e não algo mais manual, mais original.

Nem sempre as coisas diferentes são muito apreciadas pela maioria, e só isso, pode fazer-nos ter a ideia de que o que acabámos de oferecer, afinal vale pouco. Oxalá eu me engane de cada vez que este pensamento me ocorre.


Comentários

  1. Eu adoro receber presentes feitos à mão. E adoro oferecê-los, embora não seja eu a fazê-los. Têm um "q" de especial, de único. De mágico. E com muito orgulho e carinho tenho duas obras feitas pelas tuas mãos. São lindas. Obrigada!

    ResponderEliminar
  2. Acho tão giro criar uma coisa com as próprias mãos para oferecer. Força nisso :)

    ResponderEliminar
  3. que belissima ideia... eu faco o mesmo :)

    PS: nunca mais soube nada da Carla :( cheguei mesmo a enviar-lhe uma cartinha para casa dela a dizer que havia quem estivesse muitoooo procupada com ela e NADA.... nao sei mais o que fazer... buaaaaa

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]