Avançar para o conteúdo principal

quando somos nós a fazer, em lugar de comprar feito

Tenho andado numa pequena correria contra o tempo, após sair do trabalho. Embora continue a chegar a horas mais razoáveis a casa - as actividades de tempos livres  a que me impus obrigaram-me a ceder quanto ao trabalho - tenho, nestes últimos dias, de responder a umas quantas solicitações urgentes da minha cunhada.
A R. lembrou-se, este ano, que havia de oferecer às amigas e familiares, em datas especiais - aniversários e assim-, coisinhas feitas à mão. Lembrou-se das pequenas coisas que vou fazendo, e bombardeou-me com uns quantos pedidos ultra-mega urgentes. Ando agora de volta de uma carteirinha e uma capa de agenda. Para lhe entregar amanhã à noite. Isto não é bem atar e pôr ao fumeiro, mas fui incapaz de recusar...

Bom, nunca vi estas coisas como forma de fazer negócios - continuo sem ver! Dá-me prazer criar, ver as peças a nascerem, embora estes prazos curtos que ela agora me apresenta me deixem um pouco stressada. Gosto de tudo muito perfeito e a pressa é inimiga da perfeição. Embora os defeitos façam a unicidade da peça :).

Gosto muito destas pequenas diversões de costura mas admito que haja muita gente que preferirá produtos comprados em lojas de nome, embrulhadas em papéis caros e metros de laços no topo. Às vezes, não conhecendo assim tão bem as pessoas como desejaria, cedo à vontade de criar e a peça surge torcendo para que aquela pessoa goste. Mas, confesso, hesito bastante antes de entregar. Lá porque eu gosto e foi feita a pensar nessa pessoa, não quer dizer que ela goste. Tenho medo que faça o frete em a receber, ou nunca lhe venha a dar uso.
Muitas vezes, fico com a ideia que eu tive mais gosto em fazer e oferecer do que a pessoa em receber. Dá.me ideia que estará à espera de uma coisa assumidamente cara e não algo mais manual, mais original.

Nem sempre as coisas diferentes são muito apreciadas pela maioria, e só isso, pode fazer-nos ter a ideia de que o que acabámos de oferecer, afinal vale pouco. Oxalá eu me engane de cada vez que este pensamento me ocorre.


Comentários

  1. Eu adoro receber presentes feitos à mão. E adoro oferecê-los, embora não seja eu a fazê-los. Têm um "q" de especial, de único. De mágico. E com muito orgulho e carinho tenho duas obras feitas pelas tuas mãos. São lindas. Obrigada!

    ResponderEliminar
  2. Acho tão giro criar uma coisa com as próprias mãos para oferecer. Força nisso :)

    ResponderEliminar
  3. que belissima ideia... eu faco o mesmo :)

    PS: nunca mais soube nada da Carla :( cheguei mesmo a enviar-lhe uma cartinha para casa dela a dizer que havia quem estivesse muitoooo procupada com ela e NADA.... nao sei mais o que fazer... buaaaaa

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …