Avançar para o conteúdo principal

isto deve ter atingido o clímax - deve ser doença!

Nunca fui de "amorzinho", "queridinho", "fofinho", e outros epítetos  - nem no diminutivo, nem noutros graus do adjectivo.
Sempre achei um pouco ridículo - mais em público, que em privado.
Não sou melosa nem cheia de salamaleques com ninguém. Sempre fui pouco dada a cumprimentos efusivos e carinhosos.
Agora dou por mim, cheia de vontade de ser tratada pelo marido, por amor ou querida. e há outros sintomas que nem vale a pena descrever. Dou por mim a relembrar, vezes sem conta, o dia do casamento e a lembrar-me do seu afago na mão, depois do sim e das alianças. As lágrimas de emoção correm-me instantaneamente com a lembrança.

Que raio se anda a passar comigo? Será que é alguma doença que dá depois de quase 10 anos de casamento? 




Comentários

  1. Eu sou ao contrário. Sou dada a esses mimos lamechas. E adoro que quem amo, me chame de amor e de querida. Gosto mesmo, porra! há fases assim, mais choronas...estás a precisar de sair da rotina, talvez. Tu e o marido, não? ;)

    ResponderEliminar
  2. :)

    Eu acho que é apenas uma consciência do quanto amamos. Consciência do valor que têm para nós. Eu não sou lamechas a falar (só a escrever), muito pelo contrário, sou bruta e direta demais e às vezes sorrio, como quem lembra de algo bom, quando penso que nas maiores discussões que tive com o meu marido, ele discutia comigo mas sempre a chamar-me de amor. Há lá prova de amor maior que essa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. S.o.l.

      Também não sou lamechas a falar, mas a escrever a coisa tem piorado exponencialmente...

      Estou "doente"...

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Gaja Maria,

      também, mas não só. Anda por aqui um cocktail explosivo...

      Eliminar
  4. E já disseste isso ao teu marido? Pode ser que te faça a vontade :)!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)