Avançar para o conteúdo principal

isto deve ter atingido o clímax - deve ser doença!

Nunca fui de "amorzinho", "queridinho", "fofinho", e outros epítetos  - nem no diminutivo, nem noutros graus do adjectivo.
Sempre achei um pouco ridículo - mais em público, que em privado.
Não sou melosa nem cheia de salamaleques com ninguém. Sempre fui pouco dada a cumprimentos efusivos e carinhosos.
Agora dou por mim, cheia de vontade de ser tratada pelo marido, por amor ou querida. e há outros sintomas que nem vale a pena descrever. Dou por mim a relembrar, vezes sem conta, o dia do casamento e a lembrar-me do seu afago na mão, depois do sim e das alianças. As lágrimas de emoção correm-me instantaneamente com a lembrança.

Que raio se anda a passar comigo? Será que é alguma doença que dá depois de quase 10 anos de casamento? 




Comentários

  1. Eu sou ao contrário. Sou dada a esses mimos lamechas. E adoro que quem amo, me chame de amor e de querida. Gosto mesmo, porra! há fases assim, mais choronas...estás a precisar de sair da rotina, talvez. Tu e o marido, não? ;)

    ResponderEliminar
  2. :)

    Eu acho que é apenas uma consciência do quanto amamos. Consciência do valor que têm para nós. Eu não sou lamechas a falar (só a escrever), muito pelo contrário, sou bruta e direta demais e às vezes sorrio, como quem lembra de algo bom, quando penso que nas maiores discussões que tive com o meu marido, ele discutia comigo mas sempre a chamar-me de amor. Há lá prova de amor maior que essa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. S.o.l.

      Também não sou lamechas a falar, mas a escrever a coisa tem piorado exponencialmente...

      Estou "doente"...

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Gaja Maria,

      também, mas não só. Anda por aqui um cocktail explosivo...

      Eliminar
  4. E já disseste isso ao teu marido? Pode ser que te faça a vontade :)!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]