Avançar para o conteúdo principal

Frágil

Põe-me o braço no ombro
Eu preciso de alguém
Dou-me com toda a gente
E não me dou a ninguém
 [Frágil, Jorge Palma]


Ando outra vez em modo lamechas, para pior do que já estive nas últimas semanas. A lágrima cai-me com uma facilidade incrível, emociono-me para lá do normal, e passo o tempo todo a dizer às pessoas que gosto delas. Por todo o resto do tempo - aquele que me consigo manter dura, forte, eficaz e fria -  não consigo dizer-lhes tão abertamente.

De há uns tempos para cá sinto mais necessidade de mostrar que amo- e não precisa necessariamente ser por palavras. Acho importante que a minha mãe possa receber flores - mesmo que sejam orquídeas do vaso lado de casa - sem que haja algum motivo especial. às vezes, gostaria que as coisas tivessem sido tão diferentes. Acho importante que ligue para o meu irmão de todas as vezes  ou várias vezes/dia que ele está doente a perguntar se está melhor. Acho importante não me esquecer das pessoas com quem trabalho e de quem gosto muito, desejando-lhe os parabéns quando fazem anos. Acho importante relembrar ao amigo que o dia de aniversário, não é um dia triste mas um dia de gratidão, porque daqueles três itens de uma vida só lhe faltará escrever um livro. acho importante deixar bilhetes na bata do meu marido, para quando chegar ao trabalho, sorrir porque eu o amo, porque tem pelo menos um motivo para sorrir, mesmo que o dia esteja a ser uma grande porcaria.Acho importante ouvir aquela pessoa que me está a clamar silenciosamente ajuda e perceber que valeu a pena dedicar-lhe o meu tempo, que tudo vai correr bem

Acho tanta coisa importante, que tenho medo de deixar alguma coisa por fazer.

às vezes, penso que afinal nem sou assim tão má pessoa. Tenho uma carapaça dura que, de vez em quando estilhaça toda e me deixa nua, repleta de fragilidades, que outrora aprendi a esconder. E este meu lado frágil, é muito difícil de conter quando acontece.

Comentários

  1. Respostas
    1. Gaja Maria,

      Obrigada. Há dias que me são muito necessários os abraços. Ontem foi um desses dias.

      Beijinho grande

      Eliminar
  2. Mas isso é algo bom. Mostrarmos que queremos saber de quem merece a nossa atenção. No fim, sempre compensa! ;) Um abraço forte.

    ResponderEliminar
  3. É importante para quem está ao teu lado, ver que esse lado existe. E alguma vez pensaste que eras má pessoa? É que eu ainda não vi um único post que me fizesse suspeitar disso :)

    Um abracinho bom para ti!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …