Avançar para o conteúdo principal

Coisas# 4.1

Ainda a propósito do posto anterior - e não apenas por isso - fiquei a ter noção de uma coisa que, possivelmente ainda não tinha pensado. Ou em tempos pensei, por o meu marido - sendo bombeiro - ter ajudado a fazer um parto.

Tenho a noção que o meu "à vontade" entre médicos, enfermeiros e restante pessoal de saúde leva-me a vê-los apenas com a singularidade de serem aqueles em quem confiamos para nos tratar de saúde. Se assim não fosse, teria vergonha como tenho se fosse não uma pessoa do ramo. São pessoas em que confio e que, à partida, nunca nos farão mal. Não vou entrar em questões de negligência e similares, se não ninguém ia ao médico ou recorria a qualquer profissional de saúde.

Sei que as pessoas da saúde têm que ser quase inertes às dores dos outros. Nem sempre são bem interpretados pelas palavras ou o tom de voz que usam para usar determinada notícias. Quando o nosso coração chora, há palavras que filtramos da pior maneira possível e temos tendência a infligir nos outros uma dor que é a nossa. No entanto, não deixam de ser pessoas com os seus problemas, os seus dias maus, as suas incapacidades. 

Quando disse no post anterior que Deus - se existe - parece jogar xadrez com os habitantes da Terra, se calhar, teve hoje ainda mais força.

Sofrer de infertilidade e ser profissional na área da obstetricia/ginecologia/neonatologia é uma tremenda ironia. Dar a notícia da gravidez a mulheres que a desejam e a mulheres que não a desejam parece uma espécie de veneno que vai ser introduzido em pequenas doses no sangue [todos os dias]. Vai-se sentindo o amargo travo na boca e uma secura no coração. Sempre a relembrar a capacidade dos que não querem perante a incapacidade dos que querem.

Quando fiz o primeiro tratamento de fertilidade, a bióloga que me acompanhou, ela própria, sofria de infertilidade. Por procriação medicamente assistida (PMA), conseguiu ter dois gémeos. Acredito que não teria sido fácil [em termos emocionais] resolver a infertilidade dos outros enquanto não conseguiu ser mãe.

Acredito que quem esteja na área da oncologia possa passar pelo mesmo. Ou a impotência de um profissional de saúde que sabe que sofre de uma doença que será incapaz de curar.

Às vezes, tendemos a ver apenas o nosso problema, quando há quem nos ajude neste caminho com problemas ainda piores que os nossos. 

Comentários

  1. O nosso umbigo tapa-nos muitas vezes as vistas para os problemas dos outros...não deveria ser assim, mas infelizmente é (e contra mim falo...)

    Beijos*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]