Avançar para o conteúdo principal

Coisas#8

Ontem foi dia de, finalmente, pedir ao chefe/patrão, duas semanas de férias. Andei a fazer planos antes de lhas pedir e também fui adiando o pedido porque nisto de pedir seja o que for sou uma nulidade. Incomoda-me depender de outros e isso é também uma das coisas que ultimamente me tem arrasado.
Sei que posso contar pouco com a colega que me tenta substituir nas minhas poucas faltas/férias. Arranja argumento para me telefonar por tudo e um par de botas, mesmo que eu nunca lhe interrompa as férias dela, ou lhe tenha deixado instruções específicas, e por escrito, sobre o que fazer em potenciais situações que possam acontecer. Fica aborrecida quando peço um dia de férias, porque não me justifico porque pretendo faltar - tens muito a ver com isso, tu!. Quando resolve faltar em cima da hora [a maior parte das vezes]. trabalhar é lixado! e andar a 120km/h  durante 12h de trabalho, contra quem está habituado a andar todos os dias a 40, é assustador... mas é a vida!, não se inibe de arranjar justificações, nem sempre muito válidas,a  que toda a gente já encolhe os ombros. Não sei se convence toda a gente.

Vão ser umas férias por motivos de saúde e portanto nada de pensar em coisas em estâncias de ski ou assim. Gostaria que fossem umas férias serenas, a tratar de coisas que tenho há demasiado tempo pendentes. Infelizmente, tenho de mirar constantemente o meu email, dado o n. de solicitações por dia que me são unicamente dirigidas.O "out of office" não é permitido por estas bandas e há coisas em que estou directamente envolvida,  que sou obrigada a intervir, mesmo quando há outra pessoa para me substituir.

Durante duas semanas, deixarei os 200 km por dia, o levantar cedo para trabalhar. Gostaria muito que os dias fossem de sol, e soubesse estar calma para o que aí vem. Sei bem que o nervosismo me vai alcançar num ápice. Gostaria de poder gozar de uma atitude mindfulness que estou longe de conseguir. Gostaria de me reencontrar, ser a sonhadora que já fui, e ter planos que vão além da sobrevivência.

Preciso desesperadamente de me por bem, de ganhar energia, e sonhar.Porque sonhar é ter meio caminho andado para os planos para a vida aparecerem. quero pensar que sim. Talvez não haja receita para se ser feliz...

Comentários

  1. E eu que acabei de escrever que a felicidade também se aprende, deparo-me agora com a tua última frase.
    Querida Alice, a vida dá tantas voltas que por vezes ficamos zonzas. Mas não percas a esperança, encara as coisas com a naturalidade que a situação exigir, não vale a pena desesperarmos.... lembra-te das pequenas coisas, são elas que nos trazem felicidade.
    Um abraço forte.

    ResponderEliminar
  2. Sabes que muito vem cá de dentro de nós. Saboreia estes dias em que n tens de ter aquela rotina diária e procura focar-te mais nas coisas boas e no que te move. Um beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Esperemos que sejam umas férias tranquilas...para mim, só o não ter uma hora fixa para me levantar e quilómetros para andar já é bom.

    ResponderEliminar
  4. Que sejam umas férias maravilhosas Alice. Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. A vida não tem receita nem elixir de saúde nem coisa que o valha, o que é pena, porque tenho a certeza que se alguém arranjasse uma coisa assim, tornar-se-ia riquíssimo num ápice!
    Umas boas férias e que sejam aquilo que precisas :)
    Diz que o mindfulness faz milagres e bem que também era preciso mais por estes lados!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]