Avançar para o conteúdo principal

Sinónimo de amor? Quero sempre pensar que sim.

Dizem que temos tendência a procurar um homem que seja o mais parecido com o nosso pai - falo das raparigas. Eu sou um dos casos que descredibiliza essa teoria. O meu marido só não será totalmente diferente do meu pai no gosto que ambos têm em ter blocos de notas e agendas para contas e apontamentos. É a única coisa que os acho parecidos e isso não passará de uma coincidência.

Além disso, o meu marido é um grande coleccionador. Colecciona talões multibanco que retira amiudadas vezes das caixas. E onde deposita de uma maneira, diria, religiosa, dentro do carro. Aquilo parece um altar. Junta também talões do combustível e facturas de presentes que habitualmente compra. 

Se, porventura, se lembra de fazer uma limpeza ao carro, muda a colecção para o despeja-bolsos da lavandaria. Não faz qualquer triagem sobre o que deitar fora. Colecciona tudo.

De tanto me aborrecer com estas colecções, vou dando sumiço as ditos papéis - às vezes, encontro algumas antiguidades em que a tinta mal se nota. Rio-me sozinha com o desmazelo dele em deixar facturas dos presentes que compra [para mim]. Não será melhor assim? Se algum dia ele tivesse alguma coisa [nada agradável] a esconder de mim, também seria descuidado a este ponto?  Acho que ele é muito distraído com estas coisas. Ele deixa o FB aberto e não tem qualquer problema com isso. E eu não tenho sequer qualquer curiosidade em ir explorar.Mas vou ficando contente porque ele parece não ter nada a esconder. Não será isso também sinónimo de amor? Por enquanto, quero pensar que sim.



Comentários

  1. Dizem o mesmo das mulheres.
    Por mim não posso falar, não vejo o meu pai desde os 4 anos.
    Nany

    ResponderEliminar
  2. O amor pressupõe confiança. O meu marido não tem FB, mas eu tenho e deixo-o aberto para ele ver sempre que quiser. Nunca o apanhei a ver nada. Ele confia, eu confio.

    ResponderEliminar
  3. Quando não há nada a esconder e se confia, essas questões não se põe.

    ResponderEliminar
  4. Confiança: a base!! Relação bonita a vossa, deviam todas ser assim!! :-)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]