Avançar para o conteúdo principal

Nunca me tinha acontecido

Costuma dizer-se que dinheiro fácil, vento o trouxe, vento o levou.

Na segunda, ainda que cheia de pressa, resolvi parar ao final do dia num supermercado para comprar queijos frescos. Só gosto de uma determinada marca e costumam vir em pouca quantidade. Julguei que ia ser rápido. só queria aquilo.

Junto à entrada do supermercado - do lado de fora- há uma caixa multibanco. Ao passar junto, a máquina dizia repetidamente, alto e bom som: "Retire o seu dinheiro". Na minha correria, ao ouvir, pensei que  a máquina estivesse tolinha. Dou por mim a confirmar que alguém se tinha esquecido do dinheiro. Retirei-o. Nunca tal me tinha acontecido. 
Olhei à minha volta em busca de alguém com um comportamento de aflição. Nada. Recuei ao estacionamento. Nada. Vi dois senhores na cavaqueira ali perto do multibanco e perguntei-lhes se tinham dado conta de quem estaria ali para levantar dinheiro e expliquei. Sabiam apenas que era uma mulher e que tinha entrado no supermercado.

Comecei a achar que ter aquele dinheiro na mão me estava a dar problemas incompatíveis com a minha pressa. Queria devolvê-lo; ainda me acalmaram os senhores dizendo que, e não fosse eu, era outra pessoa a ficar com ele.
Estava a entrar no supermercado, quando vejo uma senhora atrapalhada, a questionar quem estava no multibanco se tinha visto dinheiro esquecido. Ao ouvir a conversa, e depois de verificar que o dinheiro era dela, devolvi-lhe as duas notas dez euros.

Custava-me ficar com o dinheiro que não era meu. É óbvio que o dinheiro sendo perdido, não traz nome para ser devolvido. Mas se nos importarmos em casos como estes, acho que arranjamos maneira de os resolver.

Iria ficar de mal com a minha consciência. Mas acredito que haveria quem não tivesse esse problema.

Comentários

  1. De louvar, Alice! A maior parte das pessoas não o faria, infelizmente!
    Um grande beijinho! É bom saber que num mundo onde os valores se perderam ainda há quem os mantenha!!

    ResponderEliminar
  2. Já me aconteceu, mas felizmente a pessoa vinha logo atrás à procura.

    ResponderEliminar
  3. A maioria das pessoas pirava-se do local o quanto antes guardando o dinheiro. És linda Alice :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …