Avançar para o conteúdo principal

setenta minutos...

A universidade que frequentei  promovia - suponho que ainda o faça - o exercício físico. Uma das modalidades à disposição era a musculação. A Ana, rapariga de compleição mediana, nem fraca, nem forte, padecia de complexo de inferioridade no que ao busto dizia respeito. Inscreveu-se nas aulas de musculação na esperança de desenvolver aquela parte do corpo. No primeiro dia carregaram-na com pesos - segundo ela contou depois- para lhe testar os limites. No dia seguinte faltou às primeiras aulas da manhã. telefonámos-lhe mas não atendeu. vimo-la mais tarde a caminhar com dificuldade. explicou que não conseguiu chegar rapidamente ao telefone, que para se levantar da cama, teve de deslizar sobre o colchão para o chão, tais eram as dores em cada centímetro do corpo.
Espero eu que não me aconteça como a Ana. Há algum tempo que não fazia exercício tão intenso como o de hoje. e ainda a procissão vai no adro... foram setenta minutos sem pausas. espero amanhã conseguir levantar. e colocar as pernas dentro das calças. e puxar o fecho das botas. e rir.
Doa o que doer, haverá pouco o que me faça desistir [só uma boa causa].
 Fevereiro é mês de criar o hábito de exercício regular.

Comentários

  1. Olha, para te rires um bocadinho: janeiro foi para mim o mês de começar a fazer (uma espécie de) exercício físico. Ora que começo sempre em grande (o problema é depois continuar) e fiz uma batelada de agachamentos e lunges. Quando terminei dei um corridinha para passar uma bola de futebol à minha cadela e... caí, as pernas não aguentaram. Mas bolas, setenta minutos sem pausas é dose!

    Perdida em Combate

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nádia,

      Obrigada pela visita.

      A PT não me deixa em paz. É sempre a andar. O ritmo ainda não é muito avançado, mas para quem esteve mais de um mês parada, agora custa um bocadito ainda mais quando são exercícios muito localizados.

      Mas sobrevivi. Dói-me um bocadinho um peito e sempre me consigo rir...

      beijinho

      Eliminar
  2. No mes passado voltei ao ginasio, depois de mais ou menos 4 meses parada. Tambem estava com receio de, no dia seguinte, so conseguir comer por uma palhinha, mas por acaso a coisa ate nao foi muito ma. Acho que ajudou bastante ter "perdido" bastante tempo nos alongamentos. :)

    ResponderEliminar
  3. Nos primeiros dias é assim, depois passa. Mas sabe tão bem, diz lá, não sabe? Sentimos o corpo a mexer. Força nisso :)

    ResponderEliminar
  4. 70 minutos?? Isso é que é determinação!

    ResponderEliminar
  5. Eu adoro a sensação de dor muscular, é quase como um dever cumprido :) mas convém que dê para levantar da cama :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]