Avançar para o conteúdo principal

coisas que exigem treino


[Pinterest]



Tenho tentado fazer aquilo que realmente acho que deve ser feito e não aquilo que os outros querem que eu faça. e que acabo por fazer, por não conseguir dizer não.

Dizer sim ao outros, para mim e em muitas das situações tem tinha adjacente aquela máxima: "não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem a ti", ou a sua negação: "faz aos outros o que gostarias que te fizessem a ti (se estivesses nessa situação)". 

Comecei a perceber que, por muito que me esforçasse, os outros nunca estariam  satisfeitos com o meu sim e na vez seguinte exigiriam sempre mais. 

Um destes exemplos era a ida ao meu sogro na Páscoa. Ele nunca prescindiu que nós não fossemos na Páscoa. Não aceitava um não ou iria vê-lo triste de me partir o coração.A minha cunhada - a filha dele- sempre fez um monte de fitas e sinceramente, com os escândalos que ela dava dá, acho que ele prefere nem tê-la perto. Ao longo destes anos ele nunca pode contar com ela para fazer o almoço, ou o que quer que fosse, para os convivas. Andava eu sempre desgrenhada e com cheiro a  comida aparecendo ela cheirosa e fresca. Tinha de começar a preparar as coisas com um mês de antecedência, para não me esquecer dos tarecos todos em casa. Este ano - foram precisos 10- disse ao meu marido que não ia. Com quase dois meses de antecedência para não existirem dúvidas e para a minha cunhada se ir preparando psicologicamente. Se ele quisesse que fosse, eu não iria. Ele não se via ir sem a mulher, lá disse ao pai. O meu sogro, condescendeu e decidiu que prescindia de a minha cunhada de o levar a  casa dele, de  receber os convidados dele, de receber o compasso. Pela primeira vez em muitas décadas, a casa esteve fechada à Visita Pascal. Sendo o meu sogro tão ligado à Igreja - muito mesmo - disse-nos que a minha cunhada tinha tendinites e, coitada, não podia ir lá a casa receber os convidados.  

Logo me lembrei: devia ter arranjado uma desculpa destas antes de ter deixado passar dez anos a morrer de cansaço em cada Páscoa a pensar, cozinhar e limpar durante três longos dias.

A única coisa que consegui acumular neste anos todos de cumprimento das máximas acima foi... cansar-me, arreliar-me e ficar triste. 

Dispormos do nosso tempo e do nosso descanso para fazer os outros felizes, não é estarmos felizes, porque os outros acabam por não ter a mesma máxima que nós. As coisas boas alimentam coisas boas. As más obrigam-nos um dia a dizer não, que já basta. Se estivermos com a consciência tranquila como eu tenho a minha, quero lá bem saber se me passaram a achar a má da fita.

Eu vou dormir tranquila e acredito que a minha cunhada também. Felizmente temos noção de felicidade muito diferente. Para mim, a felicidade dos outros continua a contar, mas não vou deixar de prescindir da minha. São muitas vezes a pensar nos outros.

Este ano tive uma Santa Páscoa. Boa a valer.


Comentários

  1. Viva!!!! Fizeste tu muito bem! Qual má da fita, temos mesmo de ser verdadeiros conosco. Tenho a certeza que no fundo as pessoas te entendem. Se só olharem para o umbigo delas também não merecem que te preocupes com o que pensam. Beijinhos e que continues a cuidar assim da tua felicidade xx

    ResponderEliminar
  2. Às vezes abrimos a pestana não é ? também tenho algumas histórias dessas ... e nas resoluções para este ano prometi a mim mesma que vou olhar para mim em primeiro lugar sempre , porque depois habituam-se e quando deixas de fazer és a má da fita !

    ResponderEliminar
  3. é das coisas mais difíceis para mim.. o dizer que não. Ando aprender.

    ResponderEliminar
  4. Finalmente olhaste para ti própria e o que importa é que te sentes bem. O resto tudo se há-de compor. Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Exige treino mesmo. Eu ainda estou nos treinos :), mas muito melhor do que há uns tempos atrás. Já há coisas que vou conseguindo dizer que não, outras nem tanto principalmente a nível profissional, mas para a frente é que é o caminho eu chego lá. Parabéns. É nas pequenas coisas que as grandes mudanças vão acontecendo. beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  6. Por vezes temos de pensar em nós!!!
    Fizeste bem*
    Ai as tendinites (não podia encomendar a comida???)
    Enfim...
    Entendo-te muito bem, embora para os meus lados seja bem mais suave ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…