Avançar para o conteúdo principal

o melhor pai do mundo não será o meu...

Sobre o meu pai, não há nada de muito romântico a dizer, ao contrário de muitas das coisas que muita gente vai dizer neste dia. Não vou dizer um chorrilho de mentiras para parecer bem. O meu pai não foi, nem é o melhor do mundo. Sei que ele foi e, continua a ser, o melhor pai que conseguiu ser. Das poucas coisas que me lembro da infância, tenho presente da incompreensão da minha mãe quando eu voltava para o colo dele, depois dele me ter dado uma sova, porque eu supostamente me tinha portado mal. Chegava a deixar-me o rabo marcado e depois arrependia-se de me ter magoado. Achava a educação algo muito importante e tinha aprendido com o pai, que severidade passava algumas vezes pelo peso de uma mão.
Talvez a facilidade que tenho em esquecer o quanto as pessoas me magoam e de as perdoar  tenha nascido comigo.
(Ao escrever esta lembrança dou comigo a chorar, porque falo agora disto com alguma naturalidade mas nem sempre foi assim. Coisa recente, diria).
Ele já pediu desculpa pelo pai que foi e pelo pai que gostaria de ter sido e não foi. Admira o meu irmão - cada vez mais parecido com ele, menos nisto de ser pai- pelo pai que ele é, pela dedicação ao seu filho, pela presença sempre constante, pelo tempo que lhe dedica.

É impossível esquecer que não sei se o meu marido algum dia terá oportunidade de ser pai. Acho que ele daria um pai maravilhoso, capaz de ser ele uma criança a brincar com outra, no meio do chão da sala, com legos e carrinhos de bombeiros.ou encher as mãos com tinta das canetas de feltro. ou a roupa cheia de terra enquanto ensinaria a jogar ao berlinde... ele seria sempre companheiro de brincadeiras de um filho que eu ainda não sei se a medicina conseguirá  dar-nos.

Feliz dia a todos os pais, mas principalmente aos que olham para os filhos como uma bênção da vida. Aos que nunca se esquecem disso.

Comentários

  1. Sempre que te leio, faço figas e desejo com toda a força, que vocês consigam realizar o vosso "desejo". De resto, há coisas que nunca se esquecem e as levamos connosco para o resto da vida, para o bom e para o mau. Um beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Bonito post Alice. Percebo perfeitamente o que sentes pois passei por algo semelhante. Espero que a medicina evolua o suficiente para vos dar essa felicidade. Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Ainda que a vida nem sempre seja generosa e doce contigo são esses os sentimentos que transmites. Talvez por isso, quando acabo de ler fico, muitas vezes, com uma vontade enorme de te dar um abraço. Um abraço sem dizer nada, só para te fazer sentir o ser humano bom que és.

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Adorei o último parágrafo!Que Deus vos possibilite serem pai e mãe!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]