Avançar para o conteúdo principal

falando de amores mais antigos

Agora que a série Macgyver vai voltar com novo elenco tenho de admitir que fui muito, muito  (estupidamente) apaixonada pela actor da série, nos anos 80. Achava-o lindo. Umas mãos fantásticas [sempre em foco].
Uma paixão daquelas de sofrimento, com direito a posters, cromos e todas as notícias que se relacionassem com o homem. 
Acho que foi uma das quatro paixões platónicas da minha vida. Três delas passadas na adolescência. A juntar ao Richard, apaixonei-me mais tarde pelo Kevin Kostner (nem me perguntem porquê, mas eu achava-o bem charmoso) e o meu professor de filosofia do 11º ano. A última paixão platónica foi na idade adulta, com o homem de olhos verdes mais bonitos que eu conheci até hoje.

Será que fui só eu que me apaixonei por aqueles actores? (não pergunto sobre o professor, porque não me consigo lembrar do nome, mas deve haver gente de Braga que o conheça...)

Comentários

  1. Sou uma anormal...nunca tive nenhuma platónica...no meu quarto nunca houve um poster.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria do Mundo

      Sabes que ainda assim ninguém tinha destas paixonetas. Não tinha nenhuma amiga "apaixonada" pelo McGyver. Os posters eram guardados religiosamente, não estavam pendurados no quarto. Eu tinha mesmo fascinação pelo homem, mas nestas coisas sou bastante anormal. Sou um bocado "Low profile". Nunca correria atras de ninguém por um autografo ou foto.

      Estes meus amores platonicos foram bem guardadinhos...

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]