Avançar para o conteúdo principal

Das coisas que me fazem sentir pequeníssima...

Os homens também choram. Também quebram. São também emocionalmente menos fortes.
Só não o fazem à nossa frente. Deixam entrever a sua tristeza mas não a mencionam declaradamente.
Não desvalorizam os seus sonhos mais românticos - que também têm, embora so neguem ou não os divulguem.



Na viagem para a serra, este fim-de-semana, resolvemos fazer uma paragem, no shopping em Coimbra.

Em tom de brincadeira, enquanto tomávamos o caminho correcto, ele disse-me em tom de brincadeira, que me ia levar ao Portugal dos Pequeninos. Disse-lhe que não me importava; se o meu sobrinho ainda não tivesse ido - que foi- gostaria de termos sido nós a levá-lo; que já devia fazer mais de 30 anos que eu não ia.

Fez-se silêncio sepulcral. Ele respondeu-me: Nunca fui lá; estava a guardar para quando tivéssemos um(a) filh(a); já não tenho esperança que isso aconteça.

Foi difícil ambos contermos as lágrimas. Mas cada um à sua maneira não deu parte de fraco. Engolimos em seco, e mudámos de assunto.

Nunca ele tinha falado nessa vontade e acabei por ficar emocionada. Fiquei a pensar, naqueles segundos de silêncio, o quanto cresce o meu amor por ele, todos os dias.

Na sexta, contei-lhe que uma das minhas conhecidas que fez a punção quando eu, em novembro, agora com 22 semanas de gravidez vai ter uma Gabriela. Também eu hoje podia estar do mesmo tempo e pensar vir a ter uma Alice, por exemplo. Vi o que olhos dele se ensombraram.

Ele tem sido forte, pensava que o seria mais que eu, mas acredito que isto esteja a ser tão difícil para ele. Fez a semana passada, um ano sobre o terceiro tratamento. Estou a fazer de tudo para recuperar do meu pior aniversário de sempre. Mas há coisas que nunca esquecerão.
Há alturas que me sinto tão pequena. Lido com o meu sofrimento, mas custa-me ainda mais v~e-lo sofrer.




Comentários

  1. E o que é o amor, quando é grande, o que é senão isso mesmo: sofrermos as dores do outro, mais do que as nossas próprias.
    Imagino o quão difícil e penoso seja toda esta experiência para vocês, e não conheço palavras que possam confortar. Manter a fé e a esperança sim, aceitar o que não pode ser, sem sentimentos de culpa, quando sentirem que o devem fazer. Mas permaneçam, assim, unidos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pandora,

      Se não fosse o amor, nada disto faria sentido.

      Vamos esperar e ver o que Maio nos reserva. Se nada houver a fazer, vamos seguir em frente...

      Eliminar
  2. Não consegui ler o teu post sem verter meia dúzia de lágrimas!
    Nem sempre é fácil ser forte... Nem sempre é bom ser sempre forte...
    Beijinhos grandes e não se esqueçam que uma pitada de esperança faz sempre falta!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sara,

      Já passaste por lá... sabes que nem sempre e fácil.

      Um dia de cada vez, agora ate ao dia 17, não há nada a fazer a não ser esperar...

      Eliminar
  3. Tenho uma amiga a quem garantiram que nunca engravidaria, que adoptou duas crianças com quem se cruzou profissionalmente, e que, aos 40 engravidou e aos 42 engravidou novamente (infelizmente desta segunda vez abortou por a criança ter trissomia 21). Quem sabe...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria do Mundo,

      A vida tem realmente muitos misterios...

      Eliminar
  4. O sofrimento quanto a essas coisas é sempre dos dois embora mexa mais com a mulher pois é o corpo dela, é ela que vai carregar o bebé, mas experiorizando mais ou menos ambos sofrem com isso. Beijinho Alice

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gaja Maria,

      Quando alguém nos ama com tal imensidão, sofre por nos ver sofrer, sofre pela sua dor e sofre por nos amar.

      O meu marido e alguém que esta a ver muita gente em sofrimento, mas eu sei que a dor dele de nos vermos a par com esta situação, e mais profunda e venenosa.

      As mulheres que não pensem que por não ser com o corpo deles, não sofrem. Sofrem sim, mas nem todas as companheiras entendem que eles preferem esconder para não ser mais uma dor a aprofundar a nossa.

      Eliminar
  5. Nunca desistas, nunca baixes os braços, nunca percas a esperança por muito cansada e esgotada que possas estar. Luta enquento for possivel.....eu lutei e consegui......

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana,

      Obrigada pelas tuas palavras e o teu testemunho.

      Eliminar
  6. Perdi 3, e para além de todo o sofrimento que era passar por tudo, ainda doeu mais por ver o sofrimento do meu marido, apesar de ele tentar sempre ser forte. Mas eu conheço-o tão bem... Sei o sofrimento que é a perda. o medo terrível de passar por tudo outra vez, mas tente acreditar... eu consegui a minha inês na quarta gravidez... entrava em pânico à mínima coisa, de cada vez q tinha de passar pela mesma fase em q tinha perdido, mas fui ganhando confiança conforme ia superando cada etapa. e hoje teria passado por tudo outra vez para a ter comigo. Vale tudo. Engravidei da ines quando nenhum dos médicos recomendava engravidar ( por razoes medicas teria de esperar 1 ano após aborto) e quando menos esperança tinha.. eu ate queria levar roupa num saco no dia da primeira eco, tal a pouco esperança q tinha e pensando ja na corretagem que teria de fazer... Mas ela está aqui, e é a prova viva de que todos nós temos direito a um milagre. Acredite... e quando se sentir com força, lute! Desculpe qualquer coisa. Acompanho-a a algum tempo apesar de não ser de comentar, tenho-lhe um carinho muito especial e respeito, e gostaria tanto de cá chegar e de receber a boa noticia... :) E depois de tudo o que eu vivi, acredito realmente que é possível. Temos sempre de acreditar, por muito difícil que pareça. Um grande beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Spooka,

      Já li o seu comentario varias vezes e fiquei sem palavras para lhe responder. E sempre se solta uma lagrima em cada leitura das suas palavras.

      Obrigada pelo seu apreço. E não há nada a desculpar.

      Talvez um dia haja uma boa noticia. Por enquanto, tudo na mesma.

      Se algum dia a boa noticia chegar, também a hei-de partilhar com os que comigo partilham esta minha viagem.

      Beijinho de agradecimento

      Eliminar
  7. Querida Alice, como ainda ontem alguém me dizia " que o teu sonho, não seja como areia que foge entre os dedos e que esteja cada vez mais certo, cada vez mais perto" A esperança é a última coisa a "empacotar ;)" e na vida como sabes tudo é possível. Um abraço apertado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luna Piena,

      Diz o ditado que pela boca morre o peixe. :)e agora foi o que me aconteceu 😏
      Mesmo que digamos que já nada sobra, parece-me que há sempre um grão de esperança entalado no nosso coração, que nunca se consegue sacudir...

      Eliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

balões de oxigénio precisam-se...

Tenho andado longe daqui e de outros locais virtuais que, habitualmente apreciava ler. Os emails acumulam-se neste endereço que associei ao blog. Tem havido pouco tempo, pouca vontade e uma energia há muito no vermelho. Não e por desinteresse que tenho estado longe, e por desequilíbrio mental. Querer escrever aqui ou numa caixa de comentários tem se tornado uma tarefa quase hercúlea. Escrever sempre um prazer para mim, mas tenho-me sentido incapaz de o fazer nos últimos tempos. Tenho aceitado com alguma ansiedade os muitos acontecimentos que se vão sucedendo, mais desde Abril- outro Abril que se verificou agourento. Tenho muitas coisas pendentes neste momento que apenas requerem tempo- e Paciência - para que possam resolver-se. Apesar de tudo e cada vez mais, acredito - embora nem sempre aceite, em primeira instancia- nada acontece por acaso. Embora almejasse deste o início do ano por umas boas e retemperadoras férias, não foi a possibilidade de um ultimo tratamento que as veio por …