Avançar para o conteúdo principal

não é fácil ser-se filho. nem feliz quando se é velho

Percebi há algum tempo que talvez ele não ame o pai da mesma forma que amou a mãe. Ainda dizem que os pais e as mães não terão preferências pelas suas crias. Se acontece os filhos preterirem um dos progenitores, porque não o contrário?
Também já entendi que a irmã prefere o pai à mãe. Estou mais crente que seja uma das hipóteses seguintes: remorsos de ter sido uma ausente cuidadora da mãe ou o cheiro,ainda que nauseabundo, de dinheiro lhe continua a saber muito bem, que continua a desejar que caia na conta, sem que para isso veja deveres. 

Do lado dele sinto-lhe a falta de uma paciência (sintoma que nunca lhe julguei ver) para ouvir as repetições, vezes sem conta, de histórias passadas, de pedidos inusitados, de clamores a Deus do pai, que nos seus oitenta e quase sete, ainda se julga novo para ser visitado pela Morte. Consigo ler-lhe a pouca vontade de voltar à serra [um dia disse-me que queria ser sepultado junto da mãe, agora estranho-lhe este comportamento], numa obrigação de fazer o pai feliz por voltar às origens ainda que sejam dois dias, duas  a três vezes por mês. Quase quatrocentos quilómetros, somando a ida com a volta. Mais o número de vezes que o pai nos liga para saber a que horas chegamos e as reclamações que ouvimos se, porventura, temos de sair mais tarde de casa.

Do lado dela, ouço-lhe as mil e uma queixas de uma mulher que ainda não tem cinquenta, com alma de uma velha acima dos anos de Vida do pai, do dinheiro que lhe falta, da saúde que apenas não tem para aturar umas coisas e para outras parece tê-la. Desfia um rol de maleitas que lhe atingem a tiróide e o pulso. Fala-nos da menopausa como se fosse doença rara que lhe calhasse somente a ela. Aturo-lhe hipocondrías que deve acumular de carregar processos num hospital. Acabo por censurar-lhe directamente, com argumentos muito meus, essa vontade que tem de por o filho na rua, só porque ele quer emigrar. tento fazê-la pensar que o filho é quem lhe resta. [Não acredito que tenha reflectido sobre isso]. Ainda assim, vejo-a de quinze em quinze dias, com os cabelos, unhas arranjadas e maquilhada, capaz de me assinalar se estou mais gorda, ou que é por mero acaso, que visto algo que lhe agrada. Eu, ao pé dela, serei uma maltrapilha. Ela é uma pessoa tóxica em muitos aspectos.

No entanto, a ele consigo ler-lhe o orgulho de filho quando o pai lhe conta o quanto toda a gente gosta dele no centro de dia, da reportagem no jornal, da visita do miúdo que o pai levou pela primeira vez à escola e que ele quase adoptou como neto, das idas do pai à discoteca, promovidas pelo Centro, ou da peça de teatro ou nas marchas em que vai participar e convida o filho para ir. Ela nunca se interessou por nada disso. 

No meio disto tudo, eu assinalo-lhe a ele que precisa de ter paciência; a ela, relembro-lhe a idade do pai. Nenhum dos dois parece querer ouvir-me.
Eu continuo a acompanhar isto, também não sei por quanto tempo. Também perdi forças para estar em todo o lado, acudir a tudo. Sempre achei que as pessoas de idade merecem atenção e dedicação, mas não a qualquer preço

Em breve, serão os meus pais que poderão precisar, afinal não caminham para novos. Quero pensar que eu e o meu irmão sejamos sensatos sobre a velhice dos meus pais. Coisa que eu, às vezes, penso que não haja entre o meu marido e a sua irmã. 
Quando dois burros puxam para lados opostos, dificilmente sairão do lugar. 



Comentários

  1. Lembro-me de ser pequena e de as pessoas perguntarem 'gostas mais da mãe ou do pai?' e de sempre ter achado essa pergunta um bocado parva, mas dou por mim a pensar nisso muitas vezes e se há dias em que a resposta é uma, noutros é outra, mas não será tanto por mudança de opinião, mas mais por afinidade em algumas situações.

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  2. cuidar dos pais é sempre muito muito complicado mas (salvo algumas excepções) merecem todo o carinho, atenção e respeito que pudermos lhe dar :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)