Avançar para o conteúdo principal

não esperava por isto, não agora...

Tinha sabido da novidade no dia anterior  mas nunca imaginaria que, vinte e quatro horas depois, eu iria ser afectada, de uma forma que nunca supus acontecer.
Podia ter saído daquela reunião e ir fumar um cigarro, gritar toda a agitação que me corroía as entranhas. Mas eu não fumo, e os gritos tive de contê-los; transformaram-se em lágrimas. Senti-me incapaz de por mão ao descontrole. Como podia, seis anos depois, estar tudo a acontecer de novo?
Fervia por dentro e só me ocorreu vir aqui escrever o post anterior, para soltar o soluço que me tomava as palavras.
Amanhã tenho uma decisão para tornar pública. Uma decisão que eu ainda não sei qual é. Já tive mais certezas, e à medida que o tempo passa elas vão transformando-se em esquissos esborratados.
Talvez eu até possa ter a faca e o queijo na mão, mas tenho receio de que a faca não seja a mais apropriada para cortar uma fatia que eu possa levar a boca.
Tenho medo de ser a única a não ser beneficiada numa mudança que nunca fui eu que quis. Isto não estava programado para esta fase da minha vida, que continua cheia de equações com várias incógnitas. Não era esta a ordem dos acontecimentos. Só vem acrescentar mais variáveis, mais fatores fora de controle.
Para outros ficarem bem, tenho eu que mudar. Alegam que tenho muita elasticidade. E o que estão os outros dispostos a pagar por isso? Até agora nunca tive regalias que vejo outros terem, será sábio falar nisso? Exigir?
E aquela historia do não voltes onde já foste feliz? E se não houver possibilidade de retorno? Será que isto, entre o pior que está a acontecer é o melhor que me podia ter acontecido? Será esta a válvula de escape para a fase de saturação a que cheguei?
Porque é que a minha vida não pode ser um conjunto de equações simples em lugar de um grande imbróglio de incógnitas sem solução a vista?




Comentários

  1. Dizem que há males que vêm por bem. Quem sabe? Abraço Alice :)

    ResponderEliminar
  2. espero que tudo se resolva pelo melhor :):)

    ResponderEliminar
  3. Concordo com o comentário da gaja Maria. Às vezes o que parece ser muito mau transforma se no melhor que nós podia ter acontecido. Um abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)

das minhas fragilidades. tenho coisas para contar, mas hoje "roubo" palavras a outros

O momento de escrever o que Maio me trouxe e me levou, vai chegar. falarei sobre isso, quando me sentir com os pés mais perto da terra e menos de cabeça para baixo. Sem os dramatismos com que agora vejo os acontecimentos.Maio trouxe e levou. A minha vida continua um novelo com muitas pontas e poucos fins à vista. tenho de falar nisso. Porquê? porque preciso. só não sei por que ponta começar.

Enquanto as minhas palavras não saem, gostei das de outrem, que não hesitei em roubar, sem pedir licença, mas dando os devidos créditos.

Tantas palavras te disse hoje,
mas as mais frágeis reservo-as
para o dia em que te encontrar.[Deste blogue]