Avançar para o conteúdo principal

um ano se passou e tanta coisa tambem...

- alinhei em 2016 numa festa a realizar em 2017, daquelas que misturam o religioso com pagão;

- tive muitas ideias para angariação de fundos e isso deu-me um grande gozo; senti-me viva;

- ajudei a organizar eventos culturais e gastronómicos, uma grande dor de cabeça mas com optimos resultados;

- consegui novas amizades e adorei trabalhar com algumas pessoas com quem aprendi coisas boas;

-reatei uma amizade que julguei perdida,  com uma amiga dos tempos da universidade;

- injectei-me contra as trobofilias e fiz o ultimo tratamento de fertilidade a que o Estado da acesso;

- descobri que uma colega de trabalho e amiga também estava a realizar um tratamento de fertilidade e trocamos experiências;

- o meu tratamento resultou num negativo sem qualquer margem de duvida desta vez, numa barriga negra das picadas e mais meia dúzia de quilos no lombo;

- recebi a noticia da gravidez da minha cunhada, mulher do meu irmão;

- recebi a noticia da gravidez da minha amiga e colega de trabalho;

- passei por um estado de ansiedade devido ao excesso de trabalho no emprego, devido a organização da festa e ao resultado do tratamento, que tive um ataque de histerismo no emprego;

- pedi a demissão do emprego e não foi aceite;

-fui colocada de baixa medica numa consulta por causa de uma rouquidão que não passava;

- estive a beira de um ataque cardíaco, literalmente, e andei a ser monitorizada com uns aparelhos para o efeito;

- fiz 40 e começo a sentir os efeitos;

- fui a Madeira como presente de aniversário dado pelo marido;

- comi a melhor bifana do mundo servida em bolo do caco (só de lembrar babo-me toda)

- diagnosticaram-me ansiedade por excesso de stress e continuei de baixa, arredada de qualquer actividade laboral, nomeadamente de emails, algo que nunca tinha acontecido;

- dormi numa semana de baixa mais do que dormia num mes de "vida normal" e não foram necessários comprimidos;

- vivi mais uma saída do emprego do marido, com a qual não concordei, principalmente porque queria sair do meu. Ainda não estou segura que tenha sido a opção certa;

-escrevi dois ou três artigos para um jornal local;

- tive a noticia da gravidez da minha amiga com quem tinha reatado amizade;

-  vivenciei, como pessoa e como mulher de um bombeiro,talvez a maior e pior época de incêndios que tenho memoria desde que conheço o meu marido, há 22 anos;

- tive um dos maiores momentos de solidão de que tenho memória;

- abandonei-me a tristeza, ao cansaço e a frustração e vivi como morta-viva, só não deixei de tomar banho para não cheirar mal;

- recebi aumento salarial e uma generosa gratificação mas que se reduziu a uma insignificância por causa dos impostos;

- fiz um discurso improvisado, para o qual não estava preparada, e para o qual fui obrigada;

- conseguimos realizar a festa, e no fogo de artifício chorei de frustração pelas coisas que não correram bem;

- trabalhei ao lado de uma colega nova que se recusou a aceitar que estava grávida, e que entretanto (infelizmente) perdeu o bebé;

- fiz um investimento que me deixou sem dinheiro e sem margem para deixar o emprego (não tendo outro) nos tempos mais próximos;

- pedi o divórcio mas não me divorciei;

- sou tia de outro rapaz;

- já fiz dois enxovais para bebés e estou a começar um para o terceiro que ainda vai nascer;

- voltei ao blog, não sei se pontualmente, se para ficar...

Como se pode ver, não há muita coisa para contar, e se a maioria forem tristezas podem causar toxicidade a quem lê. Essa foi, sem duvida, uma das razões porque deixei de escrever, a outra porque entrei em serviços mínimos de onde sinto que ainda não sai. Tem sido a costura que me tem valorizado um bocadinho a autoestima, mesmo que seja fazer enxovais para recém-nascidos...

Ainda ando a procura de algo que me faca feliz, mas sinto que já estive mais longe... assim vai a vida, insípida, com pouco interesse no mundo dos blogues e na vida real.

Comentários

  1. Respostas
    1. Gaja Maria,

      Estive longe daqui mas recentemente andei a ler-te, na tua casinha, caladita, mas li tudo...

      beijinho

      Eliminar
  2. Ohhhh, fiquei tão contente por voltar a ler-te :) :)!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Tens alguma coisa para dizer? Obrigada por partilhares! ;)

Mensagens populares deste blogue

nada que consiga com palavras simples

A ideia de sair do emprego não era nova. Era uma ideia adiada. Viver agarrada à ideia que precisava do emprego para concretizar sonho(s) era só forma de me ancorar ao certo, ao fácil, ao controle, caso algo corresse mal. Afinal, ter um filho a quem se pensaria dar tudo era, para mim, condição suficiente e necessária, para manter o sustento sem solavancos nem travagens bruscas.
Já há demasiadas coisas simples a subtraírem minutos ao meu sono todos os dias. Se pensava em trazer alguém ao mundo então tudo deveria ser bem calculado, medido, pensado ao mais ínfimo pormenor. Preocupei-me demasiado em aconchegar um sonho em camas de algodão fofo e sedoso, que tudo o resto foi descuidado. Os outros [sonhos] foram sendo descuidados, apagados da memória, subnutridos até serem deixados morrer por incúria de mim mesma. Esta semana comecei a enviar CV e até tive uma proposta de entrevista no mesmo dia. Retraio-me em candidatar-me a umas quantas coisas, em dar conhecimento a conhecidos do meio so…

Jardim de Chuva Prateada

hoje em dia, as pessoas têm muitos amigos no facebook. é onde têm mais amigos. Se,de repente, essa pessoa deixar de colocar posts ou likes, não mostrar as suas selfies, os amigos vão preocupar-se com isso? se calhar não. acho que impera por lá a inveja, não a preocupação... Acho que os blogues são bem mais que isso. As pessoas não são sempre felizes; quando querem, mostram a vida que realmente vivem. E, às vezes, a amizade nasce, quando nos identificamos com essa pessoa. [Bem sei que há por aí gente com mais imaginação do que vida própria.] Há cerca de dois anos, uma pessoa frequente no meu blogue, deixou de escrever no blogue dela e nunca respondeu a emails que varias pessoas "chegadas" lhe haviam enviado, inclusive eu. tinha-me deixado um apelo no seu blogue, a que depois respondi e nunca mais tive resposta. ainda hoje tenho o seu blogue na minha de lista de leituras, para o caso dela voltar. mantenho a esperança que nada tenha acontecido. Agora volto a preocupar-me com a…

ironias

O meu marido conseguiu saber/sentir primeiro que eu o que e uma epidural...
(ouvimos sempre falar de epidural aquando dos partos mas afinal, não serve apenas nesses casos)